Profile Main Image

Vinicius

Flash é banido em Commander por causa do cEDH

Lutri também esta formalmente banido, mas habilidade Companion funcionará normalmente no formato.

O Comitê de Regras do Commander (Commander Rules Committee) divulgou hoje uma importante atualização nas regras do formato e a inclusão oficial de [card](Lutri, the Spellchaser) e [card](Flash) a lista de banidas. [link](https://mtgcommander.net/index.php/2020/04/20/april-2020-rules-update/)(Em artigo publicado nesta madrugada) Tobey Eliot explica os motivos para tais banimentos sendo o caso da Lutri apenas um reforço [link](https://mtg.cardsrealm.com/artigos/banimentos-de-lutri-the-spellchaser-e-da-palavra-corona-no-magic)(daquilo que já havia sido mencionado por Sheldon Manery) no início do mês logo assim que o card foi revelado, ainda durante a temporada de previews de Ikoria. [image](https://img.scryfall.com/cards/large/front/f/b/fb1189c9-7842-466e-8238-1e02677d8494.jpg?1586362188) Lutri tornou-se um ponto fora da curva, pois foi o primeiro card na história do formato a ser banido antes mesmo de ser lançado. Tobey garante que este é um típico caso de "exceção e não regra", mas também considera a possibilidade de o RC tomar atitudes parecidas no futuro: "É aqui que dizemos que foi algo único e não esperamos que isso aconteça novamente, mas isso pode não ser totalmente preciso. A Wizards é livre para explorar espaços estranhos e, como demonstrado aqui, esses espaços podem ocasionalmente fazer algo realmente problemático. Se surgir outro card que também faça algo novo que seja incompatível com o formato, nós o baniremos imediatamente. Note que *estupidamente poderoso* não é novidade; e esses cards terão a chance de serem testados." O artigo também se encarrega de esclarecer uma dúvida recente na comunidade em relação ao funcionamento (ou não-funcionamento) da mecânica *Companion* presente em outros cards além de Lutri. "Quando vimos pela primeira vez a mecânica de Companheiro, nossa reação imediata foi “bem, isso é legal; não vai funcionar no comander". Mas, olhando para a mecânica, vimos que não havia nada de problemático nisso. Na verdade, era o tipo de coisa que realmente gostamos de incentivar. Construir decks com restrições! Como queremos que as regras do Commander correspondam ao Magic sempre que possível e seja saudável ​​para o formato, demos uma segunda olhada. Ainda não achamos que desejos ([card](Living Wish), [card](Spawnsire of Ulamog), por exemplo) e outras cartas de pegam outras cartas de fora do jogo sejam algo que queremos no Commander. [link](https://mtgcommander.net/index.php/faq/#wishboards)(Descrevemos nossa posição sobre os desejos no FAQ) e nenhuma das preocupações que temos com eles se aplica aqui. O único problema era que a mecânica se referia a fora do jogo. Se o companheiro começasse na Zona de Comando ou no Exílio, tudo estaria bem. Como essa é claramente uma distinção mecânica arbitrária, como poderíamos ajustar as regras para refletir isso? Acontece que foi fácil. O problema com todas as mecânicas anteriores que usavam fora do jogo era a sua abertura. Elas traziam cards de um deck gigantesco e ilimitado. Tudo o que tivemos que fazer foi mudar uma palavra na Regra 11: *11: Habilidades que trazem OUTRAS cartas que você possui de fora do jogo para o jogo (como Living Wish; Spawnsire of Ulamog; Karn, o Grande Criador) não funcionam no Commander.* O Companion agora trabalha dentro da estrutura do Commander - está entrando - e nada mais muda. Mecânicas semelhantes ficarão bem no futuro enquanto permanecerem independentes (embora, se pensarmos que são problemáticas, obviamente daremos outra olhada e nos perguntaremos por que). Reconhecemos que isso permite que você ultrapasse a regra das 100 cartas que é icônica para o Commander. No entanto, uma única carta extra que você precisa pular arestas sérias para obter é filosoficamente correto, da mesma maneira que um pequeno número de cartas (como [card](Relentless Rats)) é capaz de violar a regra de singleton ainda mais importante." Porém, a mudança que provavelmente mais vai dar o que falar - sobretudo na comunidade do cEDH - foi o banimento de [card](Flash). [image](https://img.scryfall.com/cards/large/front/6/3/63af3c26-5b1f-46f6-9aa2-036c615bf5ea.jpg?1562719749) "(...) Estamos banindo Flash (o card, não a mecânica). Jogadores suficientes do cEDH em quem confiamos nos convenceram de que é a única mudança de que precisam para o ambiente que buscam cultivar. Embora eles representem uma pequena fração da base de jogadores do Commander, estamos dispostos a fazer esse esforço por eles. Não deve ser tomado como um sinal de que estamos considerando qualquer tipo de mudança na forma como pretendemos gerenciar o formato; este é um passo extraordinário, e é improvável que repetimos. Usamos a lista de banidas para orientar os jogadores sobre como abordar o formato e esperamos que o papel do Flash na lista seja sinalizar que *enganar as coisas rapidamente de maneira não interativa não seja interessante, não faça isso*. Acreditamos que o Commander ainda é melhor como um formato social e não fará alterações para acomodar o torneio. Assumir a responsabilidade pela sua diversão e de seus oponentes, incluindo definir expectativas com seu grupo, é uma parte fundamental da filosofia do Commander. Os organizadores que desejam avançar em direção a jogos não confiáveis ​​devem considerar adicionar regras ou orientações adicionais para criar a experiência de comandante que desejam oferecer." - Disse Tobey no artigo. O que acharam destas alterações? Flash merecia mesmo ser banido do formato? Comente.

Compartilhe:

Nota

0

Profile Main Image

Vinicius

Professor de artes marciais e produtor de conteúdo sobre Magic. Jogador apaixonado pelo formato Commander, apresentador do canal do youtube Cozinha Offline.

Social

User profile image
Profile Main Image

InvoKando

As tribos do bloco de Odisséia e Investida


Olá, meu nome é Marcos do canal InvoKando e a partir de agora eu vou te contar a lore do Magic: The Gathering através de artigos aqui na Cards Realm. Eu comecei a jogar Magic no final do bloco de Odisseia e no início de Investida, Otaria é meu continente preferido, tanto pelas suas lendas, tipos de criaturas e pela a história que tem influencias em grandes clássicos da fantasia no geral. A lore gira em torno do Mirari, o artefato criado pelo planeswalker Karn, eu vou contar mais dessa história no futuro. Hoje eu vou te apresentar as tribos e raças de continente. O continente de Otaria não participou de nenhuma história até depois da invasão dos Phyrexianos em Dominaria, uma das histórias que também posso contar aqui no futuro. Otaria havia sobrevivido à guerra praticamente intacto e foi uma das primeiras áreas a se recuperar da destruição que devastou dominaria. Por isso, muitos dos sobreviventes de outras regiões do plano buscaram refúgio no continente. Pelo menos quatro tribos de humanos viviam em Otaria, vamos conhece-las: [image](https://cdn.cardsrealm.com/images/cartas/en/ons-onslaught-daru-healer-19.jpg?8388) Os Nômades das planícies de Daru, que se estende pela borda sul do continente. E muitas dessas tribos nômades formam A Ordem, um grupo militar e religioso alinhado ao branco e é uma força importante em todo o continente. Embora sejam andarilhos, os Daru construíram uma fortaleza nas planícies, como um centro de poder onde reside o mais alto oficial da Ordem. Seus clérigos vestem roupas e 'armaduras' da grama alta das planícies, roupas semelhantes a palha seca. [image](https://cdn.cardsrealm.com/images/cartas/en/jud-judgment-barbarian-bully-79.jpg?7720) Nas montanhas Pardicas viviam os Bárbaros, que dominaram a área até os eventos de Espiral temporal, eles foram praticamente extintos das montanhas Pardicas depois da vinda de deusa Karona. As principais lendas da história do continente foram Jeska e Kamhal, mas vamos fazer um artigo só para elas no futuro. [image](https://cdn.cardsrealm.com/images/cartas/en/tor-torment-krosan-restorer-130.jpg?4188) Continuando com os Humanos, temos os druídas da floresta de Krosa, assim como em outros lugares, os druidas são mestres da magia alimentados pela fé, geralmente apoiados com grande habilidade de combate. Eles são "sacerdotes da natureza" e principalmente alinhados ao verde, estão fortemente ligados a plantas, animais, fertilidade e a terra ao seu redor. [image](https://cdn.cardsrealm.com/images/cartas/en/ons-onslaught-cabal-archon-129.jpg?4670) E o último grupo de humanos são os sombrios clérigos da Cabala, uma organização influente alinhada ao preto, se focava no comércio, manipulando a ganância e o medo de seus clientes para ganho financeiro, acumulação de influência e poder. A Cabala realizou uma variedade de funções em Otaria, sendo as mais famosas e lucrativa suas batalhas nos poços, exibindo magos em batalhas mortais, as quais os otarianos podiam assistir e apostar. Depois as batalhas no coliseu se tornaram o maior meio de entretenimento do continente. Esses são os humanos, agora vamos conhecer as outras raças que se espalhavam pelo continente. [image](https://cdn.cardsrealm.com/images/cartas/en/ody-odyssey-dwarven-recruiter-186.jpg?5445) Os anões viviam nas montanhas Pardicas, compartilhando o território com as tribos bárbaras humanas. Os anões dessas cordilheiras eram mineiros, ferreiros e guerreiros formidáveis, inclinados a personalidades explosivas e apaixonadas. Eles adoram uma boa batalha, favorecendo táticas de enxame suplementadas por magia de fogo e destruição de recursos inimigos. Não se sabe se os anões pardicos sobreviveram à vinda de Karona e à calamidade que se seguiu. [image](https://cdn.cardsrealm.com/images/cartas/en/scg-scourge-goblin-warchief-97.jpg?2293) Os goblins habitam o cume de Skirk, no sul das montanhas Pardicas e por isso todos são chamados de Skirk. Eles são apaixonados pelo fogo e explosões, muitas vezes causando prejuízos a si mesmos. Eles são ainda mais imprudentes do que a maioria dos outros goblins. Os Skirk construíram suas casas em redes elaboradas de túneis ao lado de penhascos, construindo pontes de cordas precárias para navegar em seu ambiente. Após a invasão phyrexiana, eles receberam muitos refugiados goblins de outros lugares de Dominaria em busca de um novo lar. Goblins otarianos tendem a ser mais curtos e andam curvados, com nariz comprido e bulboso e orelhas em forma de morcego. Devido à influência do Mirari muitos Skirk sofreram mutações, tornando-se ainda mais ferozes e destrutivos. Goblins mutantes, seus dentes se tornaram grandes presas e garras ósseas. Muitos se tornaram gigantescos e instáveis, enquanto outros desenvolveram poderes inatos de magia destrutiva. Nas montanhas também viviam os minotauros, mas todos estes vieram de outros continentes procurando a refúgio depois da invasão phyrexiana, assim como os elfos que fizeram da floresta de Wirewood sua nova casa. [image](https://cdn.cardsrealm.com/images/cartas/en/lgn-legions-wirewood-channeler-144.jpg?8727) Os elfos viviam em um estado de simbiose com os animais e insetos nativos da floresta. Quando o Mirari começou a espalhar suas ondas de mana pelo continente muitos elfos sofreram mutações, a maioria se tornou criaturas finas com feições semelhantes a plantas, com a pele totalmente verde, enquanto outras se tornaram brutamontes com a pele parecida com casca de árvore. Não se sabe se todos os elfos de Wirewood foram mutados ou se as mutações continuaram depois de todos esses anos. [image](https://cdn.cardsrealm.com/images/cartas/en/dom-dominaria-krosan-druid-167.jpg?529) Os centauros vivem na floresta de Krosa e em toda Dominaria, você vai encontrar a maioria dos seus centauros em Otaria. Os centauros Krosanos são poderosos guerreiros e druidas contemplativos que vivem em harmonia com os humanos e os nantukos que logo vou falar deles. Essas criaturas tem corpos musculares superiores e suas partes inferiores são do porte ​​cavalos de guerra. Muitos centauros da Otaria usavam os cabelos de uma maneira que lhes dava uma aparência leonina e uma segunda raça de centauros eram leves e os corpos inferiores de antílopes. Eles eram mais pacíficos que os centauros equinos, mas viviam em harmonia com eles. [image](https://cdn.cardsrealm.com/images/cartas/en/ons-onslaught-aven-brigadier-7.jpg?1423) Os avianos costumavam viver em Otaria. Ultimamente, muitos deles migraram para Benalia. De acordo com os mitos Otarianos, os avianos foram criados quando as águias imploraram a Ancestral para torná-las humanas e deusa concedeu esse desejo. Por outro lado, alguns acreditam que os avianos eram refugiados de outro plano que se estabeleceu em Dominaria, enquanto outros afirmam que evoluíram naturalmente a partir de pássaros como o Falcão da Cauda Solar. Eram como águias humanoides, altas, fortes, possuindo braços, pernas e asas poderosas capazes de voar. Embora a maioria dessas criaturas se assemelhem a águias, algumas têm aparência de coruja, estas parecem se focar mais na magia do que no uso de lâminas. A maioria delas viviam ao longo da costa norte de Otaria ao redor da Baía de Balshan como pescadores, mas muitos também são encontrados no interior das planícies de Daru e em outras regiões controladas pela Ordem. São criaturas militantes que compõem uma parcela significativa dos membros da Ordem. Muitos avianos são guerreiros, magos ou ambos. [image](https://cdn.cardsrealm.com/images/cartas/en/ons-onslaught-aven-fateshaper-69.jpg?3216) À medida que a magia do Mirari se espalhava por Otaria, alterando seus habitantes, muitos avianos do tipo águia se tornaram mais altos e mais musculosos, com garras longas e parecidas com lâminas, regredindo em enormes raptores sencientes. Por outro lado, as aves mutantes do tipo coruja, também cresceram em tamanho, mas mantiveram o uso independente de seus braços, as habilidades mágicas também foram aprimoradas pelas emanações dos Mirari. Elen, são humanoides aviários enormes, sem asas e sem penas, com pele cinzenta, pernas de osso quase sólido e inteligência limitada, os Elen têm de um a três metros de altura. São criaturas lentas que servem como executores e infantaria da Ordem em Otaria e no grupo de raças aviarias temos também os Raypen são pequenos pássaros frágeis, de um metro e meio de altura, com asas vestigiais, cujas penas mágicas ainda lhes permitem voar e pernas finas e de aparência murcha. Eles servem como batedores e apoio mágico para o exército da Ordem. O continente também tinha uma variedade de vida selvagem incrivelmente diversa (e perigosa). Bestas, vormes, elementais de fogo, anurids (que é uma espécie de sapo-besta) grifos, lhurgoyfs , orggs, atogs, também surgiram monstros de experiencias ou magias sombria como zumbis, vampiros, espectros e pesadelos que eram comuns graças à Cabala. Mais tarde na história de Otaria, os fractius foram despertados no continente graças ao Projeto Riptide. Além dessas criaturas monstruosas, animais normais (esquilos, ursos, cavalos) também eram comuns e mesmo eles se tornaram monstros mutantes graças a influência do Mirari. Existiam raças também muito marcantes nesse continente, mais até do que os centauros. [image](https://cdn.cardsrealm.com/images/cartas/en/ody-odyssey-nantuko-mentor-255.jpg?8777) Os Nantuko, uma raça sapiente de insetos do tamanho de homens, a maioria era monges benevolentes que viveram uma vida de forte respeito pela natureza e proteção a floresta Krosana, são uma raça de criaturas sábias e parecidas com louva-a-deus. O destino atual da raça Nantuko é desconhecido, pois Krosa foi praticamente destruída após o flagelo causado por Karona, pelo Mirari e pelas distorções temporais. [image](https://cdn.cardsrealm.com/images/cartas/en/ima-iconic-masters-cephalid-broker-44.jpg?1835) O Império Mer era uma força dominante nas profundezas dos oceanos, antes dominados pelos tritões, eles perderam grande parte de seu império para os cefálidas que em um golpe de inteligente tomaram o controle, agora os tritões servem a eles. Os cefálidas têm um sistema monárquico de governo, ou seja, inclui um imperador e uma forte hierarquia aristocrática. Em geral, são criaturas gananciosas que não querem nada além de poder e controle, eles tendem a ser extremamente astutos e manipuladores, muitas vezes conspirando pelas costas em um esforço para subir a escada social, como resultado, aqueles de alto escalão tendem a ser extremamente paranoicos ou a serem vítimas de assassinos. Os cefálidas não gostam da maioria das outras raças, com ódio particular sendo reservado aos respiradores de ar, incluindo moradores da superfície e mamíferos marinhos, como baleias e focas. E por enquanto é isso, essas são as criaturas e tribos de otaria. Na próxima vez, vou te falar sobre todas as lendas desse lugar. Claro, que isso depende do seu feedback, compartilhe com seus amigos e grupos e se puder comente o que achou, espero voltar em breve para contar mais histórias desse jogo que tanto amamos. Então muito obrigado por ler até aqui e até a próxima.

Compartilhe:

Profile Main Image

InvoKando

Meu nome é Marcos, apaixonado pela lore do Magic: The Gathering. Editor e criador de Conteúdo no canal InvoKando.

Social