O Jund do formato Pauper - guia definitivo

Oi, pessoal! Meu nome é David, também conhecido como Saitama no MOL e no Arena. Estou aqui para trazer o único e definitivo guia sobre como jogar de Jund no Pauper + um guia de Sideboard! Mas primeiro

Por David Royale, 23/01/21

Oi, pessoal! Meu nome é David, também conhecido como Saitama no MOL e no Arena. Estou aqui para trazer o único e definitivo guia sobre como jogar de Jund no Pauper + um guia de Sideboard! Mas primeiro, eu gostaria de trazer o contexto para a criação deste deck.
COMO TUDO COMEÇOU
Bom, a coisa começou meio que como uma brincadeira. É que nos Discords sobre pauper, as pessoas costumam falar que um deck é “o Jund do formato” querendo dizer que aquele é o pior deck do formato. Eu não entendia o que isso queria dizer, até que alguém me explicou que era porque a maioria das pessoas pensa que o Jund é a pior combinação de cores, pois não existem cards individuais nelas com power level alto o suficiente para justificar a combinação. Isso podia até ser verdade num meta que envolvia decks rápidos de fadas ou jogos longos contra Tron. No entanto, não acho que seja mais o caso, pois a chegada das novas criaturas com Cascade no formato foi essencialmente o que deu a essa build do Jund o que nos faltava em termos de power level.

Ad

Comprar cartas é uma boa forma de gerar card advantage e garantir vitórias, mas castar mágicas sem pagar seu custo de mana é melhor ainda, e essas duas cartas em si têm os stats e as habilidades ideais. Então basicamente eu quis dar uma chance ao Jund e ver se as pessoas se interessavam nele, para pararem de dizer que o Jund é a pior combinação de cores (embora isso seja mais fácil de falar do que de fazer, né).
A DECKLIST DO JUND
O deck foi montado da seguinte forma:
Loading icon
TERRENOS
A primeira coisa da qual precisamos falar é a base de mana. Jogar com 3 cores é difícil, mas não impossível. Você deve priorizar quais cores você vai querer mais nos primeiros turnos, e quais você só vai usar como um “splash” ou mais tarde no jogo. Com esse lugar, é importante se dar conta de que você vai precisar de mana verde e preta nos primeiros turnos, e a mana vermelha em geral só no late game. Isso acontece porque você vai querer responder às threats iniciais com suas remoções pretas e também poder castar o Llanowar Visionary por volta do turno 3 na maioria das vezes para poder comprar cartas e rampar.
Esta é a melhor land para fazer seu ‘mana fixing’. Recomendo olhar para sua mão inicial cuidadosamente, e planejar bem qual de quais cores você vai precisar nos próximos turnos. Isso pode parecer intuitivo mas é especialmente mais importante neste deck do que em qualquer outro, então mantenha em mente que o desenvolvimento da sua mana nos primeiros turnos é o que pode te fazer ganhar ou perder o jogo. Um lembrete: você deve baixar a Ash Barrens em pé no turno 3 em vez de reciclá-la se você precisar resolver um Bonder’s Ornament ou no turno 5 ou 6 se precisar jogar uma Boarding Party. Não tenha medo de baixá-la em vez de reciclar para poder jogar na sua curva.
Também muito boa para o ‘mana fixing’. Alguns vão preferir usar Evolving Wilds, mas eu gosto do Jund Panorama porque você precisa resolver suas spells na curva, em vez de ficar preso sem poder castar seu Bonder’s ou Boarding Party no timing certo. O Panorama te permite fazer isso e ainda faz o ‘mana fixing’ mais tarde, e é mais um enabler para o Pulse of Murasa, o que é importante em matchups difíceis como o Burn. Bounce lands
Jogar com 22 lands pode parecer insuficiente quando você quer resolver drops 6 e 7, mas essas lands são perfeitas para isso, permitindo que você keepe mãos com 2 lands sem ter medo de perder sua terceira land drop e ainda fazendo muito bem o ‘mana fixing’. Thriving lands
Nos primeiros turnos é preferível não ter que se comprometer com uma única cor, e essas lands são perfeitas por se adaptarem muito bem de acordo com as cores que você precisa no início. Mais tarde, se você ainda estiver procurando uma cor, você pode dar bounce nelas e resetar se for preciso. Bojuka Bog / Mortuary Mire
As estrelas entre os terrenos! Os Bojuka Bog são fundamentais para lidar com decks que abusam do cemitério como Tron e Familiars e o Mortuary Mire pode te ajudar a preparar um cascade absurdo, tipo Annoyed Altisaur cascatando em Boarding Party. Já falei que você também pode dar bounce nessas lands? Isso gera muito valor em jogos mais longos!
CRIATURAS
Os 6 bichos com cascata dispensam explicações: a sensação de castar mágicas de graça é maravilhosa, mas castar um Altisaur que cascata num Boarding Party que cascata num Blightning… Não tem preço!

Ad

Quanto ao resto, o Visionário é o tipo de criatura que é quase como um 3 por 1: ele se substitui, rampa sua mana a partir do próximo turno, e tem um corpo decente para começar a agredir decks tempo e control. Ah! E com o banimento de Fall From Favor, você não precisa mais ter medo de jogá-lo no turno 3! Em relação aos outros 2 slots de criatura, a gente precisa de card advantage, e os monarcas são ótimos para essa função. Eu escolhi as Thorns, mas acho os monarcas das outras duas cores viáveis também. É mais uma questão de gosto mesmo, mas usar 2 monarcas aqui é fundamental.
REMOÇÃO
Usamos 13 remoções no total: 4 Cast Down porque é basicamente a melhor do formato, sem muita questão. 2 Lightning Bolt tanto para lidar com a maioria das criaturas mais populares do formato, quanto por poder dar o dano na cara do oponente se não houver outro alvo em campo. 3 Chainer's Edict para lidar com Bogles, Guardian of the Guildpact, e qualquer outra criatura resistente a remoções que dão alvo. Terminate ajuda contra River Boa e Guardian of the Guildpact, Abrade lida com criaturas e artefatos (especialmente Bonder’s Ornament), Suffocating Fumes para o 2-por-1 e porque podemos reciclá-la se não for útil no momento, Snuff Out para matar bichos sem pagar mana, e finalmente a Fire Prophecy, que pode tanto ajudar a esculpir sua mão no início do jogo quanto mandar lands que você não precisa da sua mão para o fundo do seu deck no late game.
CARD ADVANTAGE
Os Night’s Whisper são necessários para consertar mãos meeiras, o Bonder’s Ornament faz o ramp no início e te dá mais cards no late game, Pulse of Murasa pega lands de volta do cemitério ou alguma criatura que tenha morrido (as 3 cópias no maindeck são complicadas para o Burn lidar) e finalmente Blightning. Ohhh, Blightning, a carta mais controversa do deck e a única que eu não tiraria no Side na maioria dos jogos.
Essa aqui é delicada, mas eis o que acho dela em cada matchup: Burn: você deixa de levar pelo menos 6 de dano na cara. Stompy / monoW Heroic / Bogles: você pode deixar eles dependendo de top decks pelo resto do jogo se castar Blightning na hora certa; o oponente pode estar com combat tricks ou mais pumps e esta carta, sozinha, arruina os planos dele. Depois de resolver um Blightning, fica mais fácil lidar com as criaturas do oponente. Elves / Walls: normalmente, eles tendem a despejar tudo da mão no campo de batalha e então reabastecer a mão, então se você conseguir castar Blightning antes do momento em que eles reabastecem, é uma grande vitória. Assim você pode deixar eles dependendo do top deck pro resto do jogo. Contra outros decks como Tron e Fadas, ela pode rapidamente punir mãos medianas e mãos mulligadas, e pode também ser uma bait para as anulações deles antes de você castar coisas mais importantes como suas criaturas com cascade ou cartas decisivas como Bonder’s Ornament. Como uma regra geral, o timing é a chave em relação a esta carta. Você normalmente não vai querer castá-la no turno 3 na maioria das vezes, mas sim uns turnos mais adiante quando o oponente tiver com menos de 5 cartas na mão ou quando você puder castar duas mágicas no mesmo turno (Blightning + outra). Além disso, você pode ter uma ideia do que seu oponente pode ter na mão baseado nas cartas que ele escolheu descartar, e então você pode fazer suas próximas jogadas contando com essa informação.

Ad

E por último: muita gente esquece que essa carta causa os 3 de dano no oponente, mas é por isso que fazer uma Boarding Party abrindo uma Blightning é tão brutal: se não houver respostas, são 9 de dano e descarte 2 cartas por 6 manas. Além disso, a sensação de dar cascade em um Blighting é incrível, pois ela faz o oponente descartar a remoção que ele tinha para a criatura que vai entrar em seguida.
JOGANDO COM O DECK
Pode ser que você sinta que o deck é lento, e ele é… Até não ser mais. É que a primeira fase do jogo envolve desenvolver sua mana corretamente e responder às primeiras criaturas com suas remoções. Uma vez que você sinta que controlou o jogo, você começa a castar suas criaturas com cascade e, de repente, você tem praticamente um clock de 2 turnos pressionando o oponente. Com este deck, uma coisa puxa a outra: depois da sua primeira criatura com cascata, normalmente em seguida vem uma outra ou uma forma de recuperar uma criatura do seu cemitério caso ela tenha sido destruída ou anulada. Lembre-se também que mais de um terço do deck é remoção, então se você tem uma remoção na mão mas também tem a mana para jogar uma criatura com cascade, primeiro caste a criatura com cascade e veja o que acontece -- na maioria das vezes você vai cascatar uma remoção, e assim você pode guardar pra depois a remoção que já tinha na mão. Por outro lado, normalmente vale a pena jogar o bicho com cascata na esperança de abrir uma remoção porque as chances disso acontecer são muito altas, e por isso mesmo, você pode optar por aguardar para castar sua criatura com cascade quando houver na mesa algum alvo em potencial para uma remoção. Todas essas jogadas são muito situacionais, mas quanto mais você jogar com o deck, mais você vai pegando o feeling sobre quando fazer algumas delas. A mecânica de cascade é um pouco aleatória, mas esse deck tem alvos bem melhores para cascatar do que a média dos decks de cascade. Pensando no Cascade Walls ou Cascade Ponza (LD), tendo jogado esses decks, a sensação de cascatar abrindo um Wild Growth ou uma barreira não é muito boa; mas cascatar abrindo remoção na maior parte do tempo é incrível. Pense assim: seu pior alvo para uma cascata seria um Bonder’s Ornament, e mesmo essa carta acaba te ajudando a longo prazo.
SIDEBOARD
O sideboard foi pensado para responder ao metagame das ligas, então ele está preparado para uma ampla variedade de decks, principalmente os mais agressivos. A maioria dos cards são bem autoexplicativos, mas aqui vão algumas matchups frequentes que você pode querer ter uma ideia de como sidear:
Affinity

IN

OUT

Fiery Cannonade e Pyroblasts são de se considerar se o oponente usar muitas cartas azuis.
Burn

IN

OUT

Se for uma versão com muitas criaturas, traga para dentro o quarto

Chainer's Edict

.
U/x Faeries

IN

OUT

Você também pode tirar 2

Chainer’s Edict

e trazer a última

Fiery Cannonade

e 1

Electrickery

dependendo do que você encontre no game 1.
Tron

IN

OUT

Familiars

IN

OUT

Ad

Heroic

IN

OUT

Stompy / Elves

IN

OUT

Na draw, você pode sidear para fora um

Blightning

em vez de um Pulse of Murasa contra o Stompy.
Walls

IN

OUT

Fiery Cannonade não é muito forte contra Walls.
Pestilence

IN

OUT

Bogles

IN

OUT

Boros Bully

IN

OUT

(Você também pode querer tirar 1 Snuff Out para adicionar 1 Weather the Storm.)
Boros Monarch

IN

OUT

Esse guia de sideboard está aí só como referência; as decisões ao sidear podem ser diferentes de acordo com o que você veja no g1 ou de acordo com o horário em que você esteja jogando. Em um meta mais apertado com Tron e Faeries, eu adicionaria a quarta Pyroblast no SB e o terceiro Bojuka Bog no maindeck. É engraçado que algumas pessoas trazem hate de cemitério do side contra esse deck e isso não nos atrapalha tanto -- se você perceber que o oponente está fazendo isso, tire os Pulse of Murasa e destrua eles com suas poderosas criaturas de cascade!
CONCLUSÃO
Primeiro de tudo, agradeço a todos vocês que continuaram lendo até aqui, e agradeço especialmente a todos os que me encorajaram a continuar tunando e testando o deck. Não foi nem um pouco fácil, especialmente quando os arquétipos do formato são tão bem estabelecidos, mas se você tiver uma ideia forte, tente fazê-la acontecer, mesmo que fiquem te dizendo que aquele é “o Jund do formato”, hahaha! Obrigado a todos, e se tiverem perguntas, podem mandar :)

Nota

0

pauper Deck Guide
User profile image
More comment
Onze perguntas ao pro-player Luis Salvatto

Onze perguntas ao pro-player Luis Salvatto

Meta análise - Semana 3 de Penny Dreadful

Meta análise - Semana 3 de Penny Dreadful

Deck da Semana: Jeskai Polymorph Modern

Deck da Semana: Jeskai Polymorph Modern

Mais artigos recentes

Mesmo autor

O Jund do formato Pauper - guia definitivo

O Jund do formato Pauper - guia definitivo

Mais do mesmo autor