Profile Main Image

Thiago

Os arquétipos do cEDH #01 - Food Chain

Iremos discorrer sobre os arquétipos mais populares do cEDH e sobre o que eles tem a nos agregar

Este artigo pertence à série Os arquétipos mais populares do cEDH:

1. Os arquétipos do cEDH #01 - Food Chain

2. Os arquétipos do cEDH #02 - Demonic Consultation

3. Os Arquétipos do cEDH #03 - Underworld Storm

4. Os Arquétipos do cEDH #04 - Aetherflux Storm

5. Os Arquétipos do cEDH #05 - Hatebears

6. Os Arquétipos do cEDH #06 - Thieves & Wheels

7. Os Arquétipos do cEDH #07 - Taking Turns

8. Os Arquétipos do cEDH #08 - Extra Combats

9. Os Arquétipos do cEDH #09 - Birthing Pod Lines

Olá, meus queridos! Tudo bem com vocês? Meu nome é Fogaça e estou aqui, após um bom tempo, para falar sobre Commander. Já faz algum tempo, mas creio que vocês se lembram de mim e da série de Deck Techs onde trabalhávamos comandantes específicos de um modo a otimizá-los para o Commander Semi-Competitivo. Hoje, porém, não vim para falar sobre um general em particular, mas sim para iniciar uma nova jornada junto aos entusiastas dos mesões de alto nível; iremos, portanto, discorrer sobre os arquétipos mais populares do cEDH e sobre o que eles tem a nos agregar - para isso, nada melhor do que iniciar com um clássico do formato: [[Food Chain]]. [image](https://static.cardsrealm.com/images/cartas/en/mmq-mercadian-masques-food-chain-246.jpg?8633) *O COMBO* Vamos do início. A carta cadeia alimentar é nossa estrela aqui, permitindo com que exilemos uma criatura e adicionemos um total de mana de uma cor a nossa escolha igual ao CMC do alvo exilado +1, porém esta mana apenas poderá ser usada para conjurarmos criaturas. Olhando brevemente, pensamos em uma ideia mais relacionada ao storm, porém, se pensarmos bem, logo notamos que o encantamento tem mais potencial que isso. [image](https://static.cardsrealm.com/images/cartas/en/avr-avacyn-restored-misthollow-griffin-68.jpg?5212) [image](https://static.cardsrealm.com/images/cartas/en/emn-eldritch-moon-eternal-scourge-7.jpg?7613) [image](https://static.cardsrealm.com/images/cartas/en/dom-dominaria-squee-the-immortal-146.jpg?1009) Para usarmos nosso querido em todo seu potencial, Food Chain possui três melhores amigos: [[Misthollow Griffin]], [[Flagelo Eterno]] e [[Squee, o Imortal]] - a ideia aqui é exilá-los para gerar mana e aproveitar a habilidade destes para reconjurá-los, podendo, assim, repetir o processo e acumular mana infinita em nossa pool (com o detalhe de podermos usá-la apenas para conjurar criaturas). Uma vez que temos acesso a uma quantidade generosa de mana, poderemos abusar de comandantes que desencadeiam habilidades quando entram ou saem do campo de batalha ou quando são conjurados, fato somado à constatação de que poderemos exilá-los com [[Food Chain]] para que voltem à zona de comando e possam ser reconjurados. *COMANDANTES* Seguindo mais adiante, esta sessão nos ajudará a entender como aplicamos as condições de nosso combo, de uma forma que explicaremos algumas regras básicas e detalharemos sobre o papel de generais específicos nesse processo. [image](https://static.cardsrealm.com/images/cartas/en/m20-core-set-2020-omnath-locus-of-the-roil-216.jpg?6470) Partindo do mais simples, um comandante que cause dano ao entrar no campo de batalha traduz exatamente o que queremos com um deck de Food Chain. No caso de Omnath, Locus do Turbilhão, a build não necessita ser baseada em elementais, sendo que ele será o suficiente. Toda vez que nosso Dollynho entrar em jogo, ele causará um ponto de dano a um alvo específico (partindo do pressuposto de que ele é um elemental), fato o qual será repetido até a exaustão com a sequência de exilá-lo e conjurá-lo novamente da zona de comando. [image](https://static.cardsrealm.com/images/cartas/en/ktk-khans-of-tarkir-sidisi-brood-tyrant-199.jpg?6508) Deixando as coisas um pouco mais complexas, vamos aproveitar os ETBs infinitos para uma outra comandante. Dessa vez, Sidisi, Tirana da Linhagem, marca presença em nossa estratégia, e, mesmo com o desfalque de Squee, o Imortal, ela não deixa a desejar. Seu efeito faz com que tenhamos uma condição de Self Mill, colocando todo nosso deck em nosso cemitério e criando fichas de zumbi como consequência - poderemos usar isso a nosso favor com uma jogada esperta. Vamos fazer uma soma: muitas criaturas no campo + Retorno Aterrorizante enviado para o cemitério + um grimório vazio é igual a que? Minha resposta: uma vitória a partir de Oráculo de Tassa. [image](https://static.cardsrealm.com/images/cartas/en/thb-theros-beyond-death-uro-titan-of-natures-wrath-229.jpg?3131) Progredindo ainda mais nessa ideia, temos o All Star dos formatos eternos dando as caras aqui - Uro, Titã da Ira da Natureza, é tudo que os players de Food Chain que não gostariam de gastar com uma base de mana pediram. Com apenas duas cores, Uro vem um um efeito único de draw com seu ETB, sendo que ele próprio já se faz retornar à zona de comando, portando, mana infinita é tudo que precisamos para comprarmos todo nosso deck. Com o grimório em mãos, temos novamente a opção de Oráculo de Tassa, mas, dessa vez, ele está acompanhado de Jace, Manipulador de Mistérios, e Maníaco do Laboratório. [image](https://static.cardsrealm.com/images/cartas/en/eld-throne-of-eldraine-korvold-fae-cursed-king-329.jpg?1372) Lançado em Eldraine, Korvold, Rei Maldito pelas Fadas, brilha muito no Standard (diferente de seu parceiro de coleção e de Food Chain, Chulane, Narrador de Contos), mas também aterroriza jogadores de decks lentos mesões afora. A ideia dele é promover o ETB infinito e usar nosso pequeno goblin como combustível para comprarmos, novamente, todo o deck; a diferença será que não teremos acesso ao azul, logo, nossa mana se destaca, nos permitindo finalizar o jogo com Balista Ambulante ou com um efeito semelhante. [image](https://static.cardsrealm.com/images/cartas/en/a25-masters-25-prossh-skyraider-of-kher-214.jpg?3008) Agora chegamos ao comandante mais singular do arquétipo, mesmo que não seja o principal. Prossh, Skyraider of Kher, possui a especificidade de não necessitar das criaturas que são conjuradas do exílio para chegar ao infinito - sua habilidade de criação de fichas permite que sempre tenhamos criaturas o suficiente para conjurá-lo novamente, o que faz com que a necessidade do deck seja um outlet para nossos ETBs (essa função fica para Artista do Sangue, Degolador de Zulaport e outras cartas de efeitos semelhantes). [image](https://static.cardsrealm.com/images/cartas/en/ogw-oath-of-the-gatewatch-general-tazri-19.jpg?8220) Já chegando aos finalmentes, falamos de General Tazri, um notável comandante 5C, que, por muito tempo, integrou a lista dos tier 1 do formato. Sua ideia é que ele atua como um tutor, que, ao entrar no campo de batalha, buscará Curandeiro Kalastria e/ou Escavador de Halimar, os quais serão pivôs para finalizar o jogo com sucessivas entradas de Tazri no campo. [image](https://static.cardsrealm.com/images/cartas/en/war-war-of-the-spark-niv-mizzet-reborn-208.jpg?6346) Para proseguirmos e falarmos de nosso querido Niv-Mizzet Renascido, precisamos recapitular o período de seu lançamento. Na época, Tazri era o principal comandante de Food Chain, mas ele tinha a deficiência de ser apenas uma peça de combo, enquanto Niv poderia funcionar de forma parecida e ainda agregar valor quando conjurado no vácuo. A partir deste fato, uma build pensada para mágicas multicoloridas foi criada, de modo a usar o comandante para buscar peças de valor e para finalizar o jogo ao encontrarmos Vela, Manto da Noite, ou Cavaleiro Defunto, porém, isso limitava a construção a usar muitas mágicas de duas cores, gastando slots pertencentes a staples monocoloridas, o que nos levou à criação da nossa última build da noite. [image](https://static.cardsrealm.com/images/cartas/en/mh1-modern-horizons-the-first-sliver-200.jpg?840) Se o problema do Niv era limitar a utilização de staples, agora poderemos abusar delas; Primeiro Fractius veio para consagrar de vez o arquétipo de Food Chain para o cEDH, juntando valor com explosividade. O pessoal já deve estar pensando algo do tipo "mas como um tribal de fractius resolve isso?", e eu lhes digo: o único sliver aqui é o próprio comandante. Uma vez que ele tem cascata, poderemos conjurá-lo infinitamente, de modo a puxar o deck inteiro para a brincadeira, e o melhor é que a única limitação é usar cards com CMC menor que 5 - consigo pensar apenas em Força de Vontade e Até Enjoar que excedem essa regra e geram valor para o deck. Todos os efeitos relacionados a dano, draw ou mill no ETB podem ser usados, basta escolher seu favorito e adicionar ao deck, nos levando ao nosso próximo tópico. *VARIAÇÕES* Nas primeiras builds apresentadas, precisávamos de mais cartas relacionadas ao mesmo combo para tudo funcionar, porém, quanto mais afunilamos as coisas, mais slots nos sobram e mais opções passamos a ter. É notável que os decks de cinco cores possuam outros finishers, uma vez que todas as cartas já lançadas na história do Magic estão à nossa disposição, mas existem alguns outros arquétipos que corraboram com o Food Chain - o finado Flash/Hulk é um desses, bem como as linhas de Consultation e Ad Nauseam. *CARTAS NOTÁVEIS* É interessante que cada arquétipo terá sempre cartas que combinam com seus objetivos, atuando, assim, como uma espécie de suporte para nossos planos, e, por isso, essa sessão terá enfoque nesses cards. Já que citamos sua existência, vamos explanar mais sobre a Consulta Demoníaca e seu parceiro Pacto Maculado, além de como eles agem nos decks de Food Chain. A dupla é conhecida como "os tutores proíbidos", partindo da suposição de que seu custo é alto de mais e sua utilização é extremamente all in, porém, como sabemos, eles não só possuem um arquétipo próprio (sobre o qual falaremos no futuro), mas também agregam de uma forma não antes vista para nossa Cadeia Alimentar. Pensem comigo, precisamos de duas peças para fecharmos nosso objetivo aqui, e uma delas pode ser conjurada do exílio (ou uma das opções para esta), então não há por que não usarmos nossos forbidden tutors para encontrarmos Food Chain, uma vez que, se acabarmos exilando uma das criaturas no processo, realizamos um 2 para 1 com sucesso. Para finalizar nossas citações, temos um pack de cartas que contribui com nossa ideia primordial ao exilar exatamente o que queremos - o que seria uma drawback ou uma forma de remover peças do jogo dos oponentes passa a ser um tutor quando usamos cartas como Martírio Amargo, Extrair, Presciência e Manipular o Destino para remover nossas criaturas-chave do jogo. *ALTERNATIVAS BUDGET* Para esse arquétipo específico, não temos nenhuma alternativa com um valor monetário mais baixo, uma vez que a própria Cadeia Alimentar tem um efeito único e um custo alto para quem a deseja, porém, se sua vontade for evitar gastos desnecessários, diminuir a quantidade de cores do deck pode ajudá-lo a não gastar com lands. *CONCLUSÃO* O arquétipo Food Chain tem história. Ele já teve poucas peças, mas, a cada coleção, recebe um upgrade, passando a ser um dos mais queridos pelos players. Suas builds são extremamente all in, o que justifica sua velocidade e te da motivo para jogar com ele ou contra ele, portanto, é interessante que conheçamos melhor o arquétipo e suas variáveis para termos uma melhor leitura de jogo e uma maior bagagem como jogadores. Por hoje ficamos por aqui. Costumo pedir que os leitores deixem seu feedback para que possamos sempre melhorar. A série tem como objetivo abordar apenas uma parte de toda uma esfera que abrange um formato de extrema diversidade, sendo assim, convido vocês para se inscreverem em meu [link](https://www.youtube.com/channel/UCyqfJp8MNsmyE89F2ALRYrg)(canal no YouTube), onde falo mais sobre Commander, não só competitivo, mas também em outras variedades, bem como falo sobre outros formatos. Até a próxima, meus queridos!

Compartilhe:

Nota

0

Profile Main Image

Thiago

Jogador de Magic desde Tarkir, sou apaixonado por interações e sinergias que quebram a curva do jogo. Para mim, o cEDH é o teste máximo para o jogador de Magic, tanto para deck build, quanto para gameplay. Para me acompanhar no YouTube, acessem meu canal.

Social

User profile image
Profile Main Image

Canal InvoKando

O Planeswalker misterioso de Ikoria


Se você ainda não leu o livro Ikoria: Lair of Behemoths - Sundered Bond, já vou avisando que esse artigo vai ter muitos SPOILERS. Agora, se você já leu o livro, viu os vídeos da história de ikoria lá no meu canal (InvoKando) ou não se importa com spoilers, vem comigo nessa teoria. [image](https://mtg.cardsrealm.com/images/cartas/crop/iko-ikoria:-lair-of-behemoths-the-ozolith-237-min.jpeg) Nessa teoria vou tentar desvendar um dos maiores mistérios do livro, quem é o planeswalker que Vivien Reid está caçando? Quem é a voz dentro do Ozólito? O livro conta a história de Lukka e sua ligação com o felino alado que matou seu esquadrão, por causa de vinculo ele foi considerado um traidor da humanidade e teve que fugir de Drannith com ajuda da sua noiva Jirina Kudro. Durante a fuga da cidade, Vivien Reid aparece e começa a ajudá-lo na busca pelo felino que destruiu sua vida, por que ela está fazendo isso? A planeswalker verde diz que está curiosa, os monstros de Ikoria são incomuns, eles sofrem mutações não naturais influenciadas por algum tipo de energia vinda dos cristais do plano, ela quer desvendar esse segredo e encontrar aquele que pode estar por trás desses eventos. Um planeswalker que ela descreve da seguinte maneira. “Eu vim aqui para estudar o seu mundo, como lhe disse, mas também porque temia que outro da minha espécie tivesse chegado aqui primeiro. Não o conheço há muito tempo, mas é da sua natureza intrometer-se.” A frase final dela é importante para essa teoria. “Não o conheço há muito tempo, mas é da sua natureza intrometer-se.” É como se essa frase valesse para nós, não é um planeswalker antigo que a gente está cansado de ver, mas um que a gente conheceu a pouco e calma que vamos ter mais dicas. Durante a batalha do Ozólito entre os vinculadores e os pesadelos, Lukka consegue chegar no centro da formação de cristais e lá, ele entra em contato com esse planeswalker misterioso e só pelo modo dele conversar dá pra ter uma ideia da sua personalidade. “Por favor, amigo, pare de lutar. Eu não estou ‘aqui’ mais do que você está, e me dói vê-lo se debater como um peixe fora d´água. Quanto a quem eu sou, meu nome significaria pouco para você. Digamos que sou uma parte interessada e deixemos assim.” Essa arrogância te lembra alguém que conhecemos há pouco tempo? Mais uma frase do ser misterioso. “Eu não fiz nada do que eles não fariam por conta própria. Apenas acelerei um pouco suas tendências naturais. Digamos que eu dei apenas um pequeno empurrão.” “Sem dúvida, aconteceria a vingança mais tediosa de todas. O fim da minha existência, e, no entanto, tudo o que eu quero fazer é ajudar.” Nem quando o inimigo está perto, ele deixa sua arrogância de lado, é bom lembrar que ele fala isso para o Lukka que está preso e revoltado pelos ataques dos monstros a Drannith. Prender sua vítima em algum tipo de feitiço, manipular os eventos para destruir a civilização, fala em tons de irônicos, fazendo piadas, se intromete e conhecemos ele há pouco tempo. O Conhecemos em Eldraine na verdade. O planeswalker que mudou o Ozólito e está na cabeça de Lukka é o nosso ladrão de coroas, Oko. Sim, o Fey que deu trabalho em todo formato do Magic e que foi banido de quase todos eles e não é só no card game que ele deu trabalho. Se você leu o livro de Eldraine, sabe que Oko é a estrela da história (carregou o livro nas costas). Nas vezes que ele apareceu, deu para perceber sua arrogância e seu carisma. Tanto que só pelas as frases da “voz” do Ozólito te dá a sensação que realmente é ele e que a qualquer momento um monstro vai se transformar em Fey e revelar que é o Oko. Mas apesar de ficar até o final do livro falando na cabeça de Lukka, ele não aparece. Nas cartas ele também não aparece, a Errante aparece, mas o planeswalker do Ozólito, não. Aliás, as cartas e o livro, tem uma “vibe” diferente, as cartas dão a impressão que Lukka e o felino alado são bons companheiros e no livro, não é bem assim, mas o livro é muito bom, fazia tempo que não tínhamos uma lore legal de magic. Voltando para o nosso Oko, tem mais alguns pontos que reforçam essa teoria, a habilidade mais legal da coleção (não, não é companheiro) a Mutação, é predominante nas cores Simic, as cores do nosso Oko, 14,7% das criaturas com mutação são azuis e outros 14,7 são verdes. Ele acelerou a mutação, as cores que ele domina, entendeu? Na parte que Vivien disse que o conhece há pouco tempo, eu pensei em todos planeswalkers que ela conheceu durante a guerra da centelha e nenhum deles parece agir de forma tão arrogante. No entanto, esse encontro pode ter acontecido “fora de cena”. Esse encontro pode ter acontecido em Zendikar, pois Oko conhecia o fragmento de Edros preso em Garruk e Vivien tem um Vorme de Pelakka (criatura nativa de Zendikar) no seu Arco Bestial. A Vivien nos dá mais dicas, no livro ela invoca duas vezes um Alce que é representado por essa carta: [image](https://static.cardsrealm.com/images/cartas/en/m20-core-set-2020-ethereal-elk-299.jpg?78728) Sim. Um alce 3/3. A Vivien encontrou com o Oko em algum momento e teve algo grande entre eles. Então é isso que sabemos. A Voz é arrogante e da “zoeira”, é um homem segundo Vivien, o que tira o Ashiok da jogada. Eu realmente pensei que poderia ser o Ashiok por causa dos pesadelos, mas ele estava tão feliz para ir encontrar os phyrexianos que não faria sentido parar em Ikoria e não é do estilo dele falar de uma forma tão irônica. E o intrometido é um telepata, pois Lukka descreve a voz na sua mente, lendo seus pensamentos. É isso, essa é a Toeria do Oko em Ikoria, eu estou gostando dos rumos que a lore tá tomando, voltando aos poucos ao trilho, esse livro de Ikoria mostrou um desenvolvimento da Vivien que sai uma personagem muito melhor depois desse livro. A Narset apesar de ser mencionada, mas não tem nada mais do que a menção. Lukka se torna um planeswalker só no final do livro, mas seu caminho até acender a centelha demonstrou que é um personagem impressionante e promete dar trabalho pelo multiverso. Um detalhe é que parecia que voz do Ozólito realmente mudou sua mente, o influenciou, o fez sair de soldado protetor da humanidade a vilão. Mais um ponto pro Oko, ele foi capaz de controlar o Garruk corrompido pelo véu metálico, controlar o Lukka, seria fácil, fácil. Estou ansioso pra ver o Oko novamente (em um card mais justo ou só na história), ele vai ser o futuro grande vilão do Magic, anota aí, além dele temos o Ashiok indo para nova phyrexia, muitos bons personagens interessantes para o futuro do Magic. Será que teremos uma liga de vilões e novas Sentinelas? Vamos teorizar mais nos comentários. [image](https://mtg.cardsrealm.com/images/cartas/crop/peld-throne-of-eldraine-promos-oko-thief-of-crowns-197p-min.jpeg) Veja os vídeos da lore de Ikoria: [youtube](https://youtu.be/oELjYLGK2Y4)

Compartilhe:

Profile Main Image

Canal InvoKando

Meu nome é Marcos, apaixonado pela lore do Magic: The Gathering. Editor e criador de Conteúdo no canal InvoKando.

Social