Profile Main Image

Isabele

Report da Campeã do Pauper Series 1.03 - Isapuru com Slivers

Oiee, eu sou a Isa, ou Isapuru no MOL, e esse vai ser o report da minha run no Cards Realm Pauper Series 1.03, no qual eu fiz 9-0

Eu escolhi jogar de Naya Slivers no [link](https://mtg.cardsrealm.com/tournament/1jnh3-cards-realm-pauper-series-103)(Cards Realm Pauper Series 1.03) porque é meu deck favorito e eu não me canso de jogar com ele, inclusive no papel. Eu não estava usando as thriving lands nessa lista ainda porque elas não tinham sido lançadas ou estavam muito caras e eu tava sem tix. O return to nature estava no meu side para substituir o gorilla shaman. Infelizmente devido a atualização do MOL eu perdi o replay das 4 primeiras partidas do suíço, então eu vou apenas falar um pouco sobre a minha visão e experiencias com essas Match Ups, espero que seja útil para para vocês e espero que gostem ❤ [image](https://cdn.cardsrealm.com/images/uploads/1596301179.jpeg) [deck](50078) *Jogo 1 do Suíço VS. Boros Monarca – Hyusakii (2-1)* No geral, eu acho que slivers tem uma boa match up contra esse deck, nosso único problema é quando eles tem mais removals do que a gente tem gás ou quando o jogador de Boros enche a board com criaturas voadoras e consegue um clock maior que o nosso, por isso eu uso Spinneret sliver no side e gosto de trazer nessa match. Além de dar alcance para todos os slivers, o spinneret é uma criatura 2/2, então sai fácil do range dos ataques do kor e do glint (com apenas um lorde) e range do raio e gavanic (2 a 3 lordes e/ou plateds). *Jogo 2 e 3 do Suíço VS. Affinity – ZAAAAMU (2-1) & Ravisor (2-1)* Afinitty é uma match que eu considero um pouco complicada, eu não sei se realmente é uma bad match up para slivers ou se é só uma bad match up para mim heh. A match fica ainda mais complicada sem o gorilla shaman no side, eu tentei usar o return to nature como substituto, mas por ser um 1 por 1, ele só funciona caso o oponente já esteja com poucas lands, então não recomendo (e inclusive já comprei meu gorilla). Existem várias versões de afinitty hoje em dia, a que eu considero mais complicada é a que eu conheço como a clássica, que roda myr enforcer e capace forger, porque são criaturas que impedem meu ataque por muitos turnos. As versões mais focadas no combo com o atog e fling eu considero mais fáceis de lidar, porque normalmente meu deck é mais rápido do que o combo deles e eles não tem tantas ameaças na mesa para impedir meus ataques. *Jogo 4 do Suíço VS. Burn – Takeoutree (2-0)* Burn é uma match estranha para slivers, depende muito de sorte e de vir com gás suficiente para ter mais criaturas do que o oponente tem de burn. Por considerar uma match complicada eu estava usando 2 hallow, 2 weather the storm, 2 strands e 1 crimson acolyte nesse torneio para lidar principalmente com burn e UR Fadas/Delver. *Jogo 5 do Suíço VS. Affinity – Glicose (2-1)* No G1 eu keepei uma mão com 4 lands. É uma mão floodada e com pouca criatura, mas preferi keepar porque eu ando tendo bastante azar em mullingans e tinha um drop no turno um e dois garantido. Eu tive bastante sorte porque meu oponente demorou para encontrar a segunda land, dando espaço para meus slivers crescerem e meu ww acertou 3 crituras. No g2 eu mulliguei a 6, e fiquei com uma mão com a base de mana um pouco torta, uma floresta e uma ash barrens. O oponente fez um carapace forge com metalcraft no segundo turno e isso me impossibilitou de atacar por alguns turnos. Minha melhor chance era usar os lordes para poder trocar com os dois carapace forge, mas ele tinha dois galv. e depois krark para limpar a board. Eu tentei usar o return to nature para destruir uma land dele, mas ele já tinha 4 lands e 3 carapace na board, então não tinha mais o que eu fazer. No G3 eu estava no play e tive que mulligar a 3 porque minhas 4 primeiras mãos não viam jogo de jeito nenhum. A primeira não tinha land. A segunda tinha duas ash barrens e nenhuma outra land. A terceira tinha apenas uma ash barrens. E a quarta tinha uma planície, mas todos os bichos eram verdes. Olhando agora eu poderia ter tentado manter a segunda mão com as duas ash barens usando uma para ciclar a outra, mas no momento eu achei que mulligar a 5 me traria uma mão melhor (eu não disse que tinha azar com mulligan?) No fim eu keepei uma mão com uma floresta, um virulento e um gemhide. Eu coloquei dois lordes e um WW para o fundo com esse mulligam porque achei que o gemhide seria mais útil, considerando que eu tinha só uma land. Eu tive uma sorte absurda e os draws dos deuses, comprei uma ash barens no primeiro draw e ciclei ela para ter acesso a mana branca caso o oponente matasse meu gemhide. Depois disso eu comprei vários lordes seguidos e apesar do carapace forge na board e do galvanic em meu oponente concedeu quando eu castei o 4° lorde. *Jogo 6 do Suíço VS. UB Control – Chocotone (2-0)* G1 eu mulliguei a 6, mas keepei uma mão com 2 lordes, então não tive muito problemas, especialmente porque no decorrer do jogo usei 1 ww e dois leads the stampede com ótimos resultados e consegui colocar 3 virulentos na board, matando meu oponente com 10 contadores de veneno. No G2 eu keepei a mão com 7 cartas, tendo as 3 cores de mana e um lorde, e meu oponente trouxe typhoid rats para esse game, o que me atrasou um pouco, joguei ao redor disso atacando com o virulento (que é uma criatura que eu não me importava tanto em perder), ou forçando o oponente a defender as criaturas que eu queria com o Hunter Sliver. No turno 5 meu oponente limpou a minha board com um evincar’s justice, o que doeu um pouco, mas eu consegui me recuperar um pouco dando um top deck em lead the stampede e depois comprando apenas criaturas para encher a board. Meu oponente jogou muito bem nesse jogo, usando teachings para pegar reaping the graves e puxando dois typhoid rats para punir meus ataques e depois usando doom blade e echoing the decay para matar todos os meus lordes. Mas ele ficou muito tempo dependendo apenas do topdeck enquanto eu conseguia encher a minha board com criaturas, então eu consegui ganhar esse jogo. *TOP 8 VS. Affinity – Ravisor (2-0)* Vou ser mais breve aqui porque essa match foi streamada, então é mais fácil entender o jogo vendo o replay. Mas revendo a stream (não estava acompanhando enquanto jogava para não me distrair e nem ficar nervosa) eu percebi que nesse momento do print perguntaram por que eu defendi com o lorde. Eu preferi defender porque eu não queria ir à 8 de vida pra evitar morrer pra dois Galvanic Blast, e eu usei o lorde porque, se eu defendesse com o Plated, meu oponente poderia matar o lorde antes do dano e com isso o Plated morreria para o Frogmite sem mata-lo. Claro que para otimizar o dano faria mais sentido meu oponente usar o galv (caso ele tivesse) antes da fase de bloqueadores, mas ele também poderia estar jogando dessa forma para tentar me forçar a ter uma troca ruim. Além disso, se meu oponente tivesse algum burn não faria diferença se meu lorde estive com 1 ou 3 de vida: [image](https://cdn.cardsrealm.com/images/uploads/1596473050.jpeg) Depois da partida eu vi que meu oponente tinha eletrickery no side, mas sinceramente, essa não é a melhor opção para trazer contra slivers, então eu não estava preocupada com essa carta na hora. *TOP 4 VS. Affinity – Goias (2-1)* Meu deus quanto affinity nesse torneio. No G1 eu não comprei nenhuma floresta no jogo inteiro, então tive que me virar jogando de Boros Slivers :^) Deu super bom porque eu comprei criaturas brancas e vermelhas o suficiente para construir uma board muito forte e forçar uma vitória. [image](https://cdn.cardsrealm.com/images/uploads/1596473001.jpeg) G2 eu perdi porque meu oponente baixou um atog turno 2 mantendo uma pressão enorme na board, especialmente porque eu tinha só duas florestas durante todo o jogo então não conseguia baixar muitas criaturas. Turno 6 ele limpou minha board com krark e me matou com o atog. G3 eu estava na play, o que é muito importante contra affinity, e vim com uma mão bem forte, colocando pressão desde cedo. No turno 5 meu oponente limpou minha board com um eletrickery e sacrificando 4 artefatos com o krark, com isso eu perdi 5 criaturas, mas eu ainda tinha 3 criaturas e um lead na mão, e meu oponente perdeu todas as criaturas e ficou com apenas 2 artefatos em campo. Então acabou sendo uma troca que me favoreceu porque o atog que ele baixou depois não era mais uma ameaça para mim porque ele tinha poucos artefatos em campo. *FINAL VS. Burn – MF Caixa (2-1)* No G1 eu mulliguei a 4 e tentei a todo custo baixar criaturas o suficiente para que ele não tivesse burn para matar tudo, mas né. G2 eu ganhei especialmente por comprar vários lordes e ter o crimson acolyte na mão inicial. No geral eu evitei atacar com o crimson para jogar ao redor de ghitu e nos turnos em que eu ataquei com ele foi porque eu tinha alguma criatura que eu estava ok em trocar. Normalmente Hunter Sliver não é uma boa criatura contra termo, mas eu preferi manter porque ter ele cedo e usar enquanto o termo ainda está enjoado faz toda a diferença, e foi com essa jogada que meu oponente concedeu. No G3 eu mulliguei a 5 e comecei com planície e montanha só, levei vários turnos para encontrar uma floresta e realmente começar a jogar. Eu consegui tempo o suficiente para isso porque meu oponente priorizou matar minhas criaturas ao invés de me dar dano diretamente. No primeiro turno dei hallow no rift bolt porque eu tinha apenas uma planície e várias criaturas brancas, então eu sabia que nunca teria mana branca para proteger elas com o hallow, por isso preferi tentar comprar tempo desde o início. O jogo começou a ficar favorável para mim quando eu consegui usar o primeiro strands (estava com ele a um bom tempo, mas sem mana) e em seguida dei um WW para 3 criaturas e ainda consegui mais um strands no cemitério. Nos próximos turnos eu só precisava manter minha criatura branca desvirada para o flashback. Perdi o weather the storm no segundo WW mas isso não me preocupou tanto porque eu ainda tinha strands e presença na board. Outra jogada que eu vi ser questionada na stream foi porque eu não defendi o ataque do ghitu com o virulento (2/2). Eu preferi tomar o dano porque eu pretendia matar ele no veneno. Além disso, ele tinha apenas uma carta na mão e a única forma de ele me matar seria castando um needle drop e comprando um fireblast então eu decidi apostar. Agradeço muito a Cards Realm pelo torneio, que estava muito bem organizado e foi muito divertido de ter participado, também pela oportunidade de escrever esse report para explicar um pouco da minha visão e experiência com esse deck. Também queria dar os parabéns para todos os players, foi um torneio muito forte com vários jogadores e decks muito fortes! E agradecer todo mundo que ficou torcendo, tanto no chat da stream quanto no chat comigo, vocês são uns amorzinhos e me deixaram muito feliz ❤

Compartilhe:

Nota

0

User profile image
Profile Main Image

Leon

Explicações da Wizards para banir 8 cartas do Standard e Pioneer


Este artigo é uma tradução do anúncio [link](https://magic.wizards.com/en/articles/archive/news/august-8-2020-banned-and-restricted-announcement)(oficial de Banidas e restritas de hoje). *Data do anúncio*: 3 de agosto de 2020 *Standard* [[Wilderness Reclamation]] está banido. [[Growth Spiral]] está banido. [[Teferi, Time Raveler]] está banido. [[Cauldron Familiar]] está banido. *Pioneer* [[Inverter of Truth]] está banido. [[Kethis, the Hidden Hand]] está banido. [[Walking Ballista]] está banido. [[Underworld Breach]] está banido. *Histórico* [[Wilderness Reclamation]] está suspenso. [[Teferi, Time Raveler]] está suspenso. *Brawl* [[Teferi, Time Raveler]] está banido. *Data efetiva*: 3 de agosto de 2020 *STANDARD* Na última atualização da lista de banidas e restritas, foi optado por não fazer alterações no Standard. Naquela época, o ambiente acabava de ver os resultados dos Players Tours 3 e 4, a alteração das regras complementares era recente e o Core Set 2021 havia acabado de entrar no formato. Enquanto vimos novos decks surgindo, finalmente os decks superiores foram capazes de se adaptar e manter sua parcela do metagame. Depois de assistir o ambiente progredir por várias semanas e revisar as entradas das listas de deck para as Players Tour Final, decidimos fazer algumas alterações para agitar o metagame. Esse conjunto de alterações é um desvio de nossa filosofia usual de lista de banimentos para o Standard e, como tal, consideramos um experimento. Fora dos níveis mais altos de jogo competitivo, inclusive na maior parte do Standard no Arena, estamos vendo uma boa distribuição da diversidade de deck e taxas de vitória. No entanto, no nível de habilidade de nossos torneios mais competitivos e no ranking Mythic nos rankings do Arena, vemos um pequeno número de decks com altas taxas de vitórias e taxas de jogo que permaneceram nessa posição de metagame por algum tempo. De acordo com nossa abordagem usual, teríamos permitido que a rotação padrão proporcionasse uma mudança natural e previsível no metagame com o lançamento de Zendikar Rising. Mas em uma era de distanciamento social, a proporção de jogos Standard que ocorre nas plataformas digitais aumentou substancialmente. Como a taxa em que os jogadores podem jogar Standard no digital é mais alta do que na mesa, acreditamos que é correto decretar alterações de metagame em um ritmo mais rápido também. Portanto, estamos fazendo banimentos direcionados ao enfraquecimento de decks que são fortes e populares nos níveis mais altos de jogo competitivo e em algumas cartas e combos que são mal vistos aos olhos de grande parte da comunidade Standard. [image](https://cdn.cardsrealm.com/images/cartas/en/rna-ravnica-allegiance/growth-spiral-178.jpeg?945) [image](https://cdn.cardsrealm.com/images/cartas/en/rna-ravnica-allegiance/wilderness-reclamation-149.jpeg?6669) Os decks de ramp usando o [[Growth Spiral]] juntos representaram 68% do meta-jogo do dia 1 nas Players Tours Final e representam aproximadamente 25 a 30% do meta-jogo no ranking Mythic do Arena. Dentro dessa categoria, os decks de [[Wilderness Reclamation]] foram considerados o arquétipo mais forte por grande parte da comunidade competitiva, representando 54% do metagame nas Players Tours Final e cerca de 15% do metagame Mythic no Arena. A fim de remover os decks de [[Wilderness Reclamation]] entre os mais jogado e reduzir a parcela de metagame dos decks de ramp em geral, a [[Wilderness Reclamation]] e a [[Growth Spiral]] estão banidas. [image](https://cdn.cardsrealm.com/images/cartas/en/eld-throne-of-eldraine/cauldron-familiar-81.jpeg?2956) Outro arquétipo que manteve uma alta taxa de vitórias por um longo período de tempo é o de Sacrifício Preto-Vermelho (ou Jund), com o combo [[Cauldron Familiar]] e [[Witch's Oven]]. Além de ter altas taxas gerais de vitórias, esses baralhos exercem considerável pressão sobre baralhos de criaturas agressivos e de médio porte. Além disso, o número de triggers gerados por esses decks pode ser complicado para os dois jogadores no jogo digital. Para enfraquecer essas estratégias de sacrifício, abrir mais diversidade de metagame e criar um ambiente de jogo mais divertido, o [[Cauldron Familiar]] está banido. [image](https://cdn.cardsrealm.com/images/cartas/en/war-war-of-the-spark/teferi-time-raveler-221.jpeg?88) Por fim, também removeremos o [[Teferi, Time Raveler]] do ambiente. Frequentemente ouvimos o feedback de que os padrões de jogo repetitivo e a capacidade reduzida de interação que [[Teferi, Time Raveler]] pode criar, parecem opressivos e limitantes. Embora tivéssemos considerado banir [[Teferi, Time Raveler]] em atualizações anteriores, um dos motivos não foi a evidência de que estava ajudando a controlar os decks de [[Wilderness Reclamation]]. Com o [[Wilderness Reclamation]] deixando o ambiente, sentimos que também é hora do metagame Standard seguir em frente sem [[Teferi, Time Raveler]]. Observamos que a [[Growth Spiral]], a[[Wilderness Reclamation]] e [[Teferi, Time Raveler]] já estavam programadas para rotacionar neste outono com o lançamento de Zendikar Rising. Com isso em mente, vemos esse conjunto de alterações como uma rotação antecipada dessas cartas para ajudar a atualizar o metagame restante do verão. No caso do [[Cauldron Familiar]], aproveitamos a oportunidade não apenas para melhorar o metagame a curto prazo, mas também para remover um risco de equilíbrio e um padrão de jogo indesejável que levará ao próximo ano. Enfatizamos que essas mudanças são, em grande parte, um produto da época e o foco atual no jogo digital. Esperamos ansiosamente o feedback da comunidade sobre essa abordagem e continuaremos atentos ao metagame no futuro. *PIONEER* Com a última atualização da lista de banidas e restritas, optamos por desbanir [[Oath of Nissa]] em Pioneer. Isso não pretendia ser uma grande atualização para o formato ou uma alternativa para outras alterações, mas sim o que consideramos um desbanimento relativamente seguro no contexto de um metagame que parecia saudável por muitas métricas. Muita discussão da comunidade se seguiu a essa atualização, levando-nos a examinar mais detalhadamente a necessidade de mudança no Pioneer. Embora continuemos a ver muitos decks diferentes terem sucesso no Pioneer, e nenhum deck com taxas de vitórias problemáticas em campo, vemos que os decks combinados como um grupo compõem uma grande parte do metagame competitivo. Ouvimos comentários de que a frequência com que se depara com um deck da combinação restringe as opções de construção de deck e pode tornar as experiências de jogo desagradáveis. Embora os dados da taxa de vitória possam não apontar a necessidade de alterações, um conjunto de dados diferente e mais importante é: participação do jogador. Embora a redução nos torneios de mesa devido à necessidade de distanciamento social logo após o lançamento da Pioneer seja certamente um fator, também vimos um declínio nas taxas de jogo da Pioneer no Magic Online ao longo do ano. É claro que muitos jogadores que estiveram ou poderiam estar interessados ​​no Pioneer estão prontos para uma mudança. Por fim, o quanto os jogadores estão se divertindo com o metagame é a força motriz mais importante por trás das atualizações da B&R, e por isso estamos optando por banir quatro cartas para agitar as coisas e empurrar o metagame competitivo para longe dos decks combinados. Essas banimentos têm como objetivo principal interromper os decks de [[Inverter of Truth]]; decks de [[Underworld Breach]]; o combo [[Heliod, Sun-Crowned]] mais [[Walking Ballista]]; e o combo com [[Kethis, the Hidden Hand]]. Embora os decks combinados sejam um reemergência relativamente nova no metagame, estamos vendo sinais de que esses decks já são problemáticos e se tornariam ainda mais se outros decks superiores fossem enfraquecidos. Atualmente, os decks de Kethis estão entre os top 5-0 vencedores de troféu nas ligas da Magic Online Pioneer, apesar de serem uma parte modesta do campo. [image](https://cdn.cardsrealm.com/images/cartas/en/ogw-oath-of-the-gatewatch/inverter-of-truth-72.jpeg?1107) [image](https://cdn.cardsrealm.com/images/cartas/en/thb-theros-beyond-death/underworld-breach-324.jpeg?8565) [image](https://cdn.cardsrealm.com/images/cartas/en/prm-magic-online-promos/walking-ballista-69991.jpeg?3813) [image](https://cdn.cardsrealm.com/images/cartas/en/m20-core-set-2020/kethis-the-hidden-hand-211.jpeg?2959) Portanto, estamos optando por banir [[Inverter of Truth]], [[Underworld Breach]], [[Walking Ballista]] e [[Kethis, the Hidden Hand]] do Pioneer. Nossa intenção é reduzir drasticamente os casos em que os jogadores correm o risco de perder para um combo kill ao tocar no início e no meio do jogo. Isso deve abrir o campo para os decks médios e de controle mais tradicionais e colocar menos pressão nos decks agressivos, para também se concentrar em interrupções nas mãos e contra-feitiços. Consideramos várias outras cartas como banimentos alternativos destinados a esses mesmos decks. O [[Thassa's Oracle]] foi o que discutimos como um toque mais leve para enfraquecer os decks do Inverter e do Breach. No entanto, os decks de Inverter ainda são capazes de ganhar com [[Jace, Wielder of Mysteries]] sozinho, e não está claro que um banimento do [[Thassa's Oracle]] seja suficiente para empurrar os decks do Inversor para fora do meta-jogo competitivo. Em seguida, mesmo que o [[Thassa's Oracle]] tenha sido frequentemente uma condição de vitória para os decks de [[Underworld Breach]], uma vez que o mecanismo de combinação principal do deck esteja em execução, ele poderá vencer de várias maneiras. Algumas versões recentes do deck [[Underworld Breach]] renunciam completamente ao [[Thassa's Oracle]]. As cartas que escolhemos são o conjunto que nos dá mais confiança na criação de uma mudança significativa no metagame. Entendemos que isso representa uma grande mudança no ambiente Pioneer e, francamente, essa é a intenção. Embora tenhamos passado a fase de atualizações semanais frequentes da Pioneer, ainda estamos em um período em que são necessárias alterações para ajudar a moldar o formato em seu ano de lançamento inicial. Queremos garantir que a Pioneer possa proporcionar uma experiência de jogo agradável aos jogadores que procuram um formato acessível e sem rotação que esteja mais próximo do Standard em nível de potência e ofereça uma variedade de arquétipos e decks para escolher. Dedicamo-nos a apoiar ativamente o Pioneer e continuaremos a incorporar dados e comentários da comunidade. *HISTÓRICO* O metagame Histórico está se movendo rapidamente no momento; a adição de novos cards no Jumpstart está causando um grande impacto, assim como Amonkhet Remastered quando chegar em breve. Existem muitos desses novos decks que estamos observando de perto, mas nossa forte preferência em momentos como esse é dar tempo para que o meta se desenvolva naturalmente. Queremos ver quais desses novos decks demonstram força duradoura em vez de apenas dar um mergulho inicial. Dito isto, há dois lugares em que achamos que temos informações suficientes para agir: [[Wilderness Reclamation]] e [[Teferi, Time Raveler]]. [image](https://cdn.cardsrealm.com/images/cartas/en/rna-ravnica-allegiance/wilderness-reclamation-149.jpeg?6669) Tocamos no [[Wilderness Reclamation]] em nossa última atualização banida e restrita, dizendo que, embora fosse poderoso, só o estávamos vendo em decks problemáticos ao lado do [[Nexus of Fate]]. Desde então, vimos uma lista de [[Wilderness Reclamation]] Temur crescer constantemente em Historic, que aproveita tanto a [[Expansão // Explosão]] quanto o [[Campo dos Mortos]]. Estamos vendo esse baralho colocar números significativos, representando mais de 10% dos jogos de Melhor de Três, mantendo as taxas de vitória. Essa é uma configuração de carta e baralho que passamos um bom tempo discutindo, analisando e observando; portanto, sentimos que é uma onde temos informações suficientes para agir. Para incentivar o aumento da saúde e variedade do metagame, a [[Wilderness Reclamation]] está suspensa no Histórico. [image](https://cdn.cardsrealm.com/images/cartas/en/war-war-of-the-spark/teferi-time-raveler-221.jpeg?88) Para[[Teferi, Time Raveler]], recebemos o mesmo feedback no Histórico que no Standard. Em Historic, também descobrimos que o poder da capacidade reduzida de interação que [[Teferi, Time Raveler]] traz. Ele também é visto com muita frequência no histórico, aparecendo em mais de 20% dos jogos históricos de melhor de três e porcentagens significativas em outros modos também. Por esses motivos, estamos suspendendo o [[Teferi, Time Raveler]] em Historic. Como em todas as suspensões, acompanharemos de perto o impacto que isso tem no formato. *BRAWL* [image](https://cdn.cardsrealm.com/images/cartas/en/war-war-of-the-spark/teferi-time-raveler-221.jpeg?88) [[Teferi, Time Raveler]] é um dos comandantes mais jogados em Brawl, aparecendo em mais de 10% dos jogos, e ele tem uma das maiores taxas de vitórias. Além disso, vemos um impacto semelhante no Brawl ao descrito nos outros formatos. Por esses motivos, [[Teferi, Time Raveler]] está banido em Brawl.

Compartilhe:

Profile Main Image

Leon

Programador do site da Cards Realm. O Magic vai muito além das cartas. Somos pessoas, uma comunidade enorme.

Social