Profile Main Image

Luiz

A evolução dos arquétipos (história)

Oi bom dia, Meu nome é Luiz e serei seu guia nessa viagem pelo mundo do Magic. Hoje falaremos uma breve história dos Arquétipos do Magic.

Oi bom dia, Meu nome é Luiz e serei seu guia nessa viagem pelo mundo do Magic. Antes de começar tenho que lembrar a todos que esta é uma visão minha de como as estratégias de Magic vem se desenvolvendo junto aos arquétipos novos e antigos, como evoluiu a cada novo arquétipo. Utilizarei as definições de arquétipo e uma série de termos técnicos correntes na comunidade do Magic, segundo o livro “Next Level Deckbuilding” do Pro Player Patrick Chapin. Esta é a referência mais utilizada entre os produtores de conteúdo no Brasil, sendo apresentada e discutida de forma clara e objetiva em várias postagens do Mateus Correia do Command Beacon (links ao final). Contudo, meus textos  buscarão ser mais uma prosa casual, como o bom mesão mineiro: regado a café com biscoito, cerveja/refrigerante e tira-gosto. A mana vai, a galhofa vem / o turno passa, massa chance de perder um amigo e a piada jamais! Quando comecei a jogar, quase quando os dinossauros ainda habitavam a terra e não o Magic, um de meus amigos era o filho de um embaixador e ele trazia para nós as novidades daquele jogo “apelão”. Comecei em Fallenm Empires e, como todo iniciante, não tinha a menor noção de jogo. Contudo, minha sorte era sorte absurda! Na época, me lembro que o “roubado” era o Seasinger por ser uma criatura que podia tomar o controle de criaturas dos oponentes. E com certeza, se alguém me perguntasse algo sobre estratégia, eu não saberia nem do que estavam falando! Naquela época o competitivo começava a nascer no mundo. O T2 local ainda não existia, pois não haviam muitas formas conhecidas de compra. Do jeito que você juntasse as cartas e conseguisse jogar, era lindo. O Legacy era o rei do jogo (para não dizer o único formato). Boa época das duais não eram old e custavam “apenas” a R$10,00 segundo a cotação da Dragão Brasil. Um mundo sem playmats, shields e caixinhas personalizadas, mas com quase todos amassando e arranhando as cartas insanamente ao joga-las diretamente no chão e depois amarradas com gominhas plásticas de guardar dinheiro. Ahhh se soubéssemos... Na Quarta Edição comecei a ter um pouco mais de noção, e aí fui apresentado ao que seria o "pilar do Magic". Aquilo que explicava e norteava como montar um deck além da “colorpie”, que na época era muito mais rígida. Era o seguinte diagrama: [image](https://pm1.narvii.com/6508/25980f5c358fc36717320d57d10cbfad423c88d3_hq.jpg) Alguns exemplos : burn combo ,o white weenie agro, e o monoblue control. Visto que em teoria sempre teríamos um deck/arquétipo forte contra um e fraco contra outro tipo de estratégia. Equilíbrio no qual não conseguiríamos vencer nosso rival, ou teríamos a dificuldade estratégica para o mesmo. O side era exatamente para diminuir essa desvantagem .Um pedra, papel e tesoura falho. Não que não existissem outros decks, mas as variações ainda eram muito inconsistentes por falta de cartas ou de formatos. Olhando o field, muitos elevaram essa noção para que tivessem decks mais fortes contra o arquétipo mais comum ... Aí começaram a surgir os midrangers. Decks que faziam um pouco de tudo, tipo agro-control (madness), agro-combo (reanimate) e control-combo (stax). Eles diminuíam a desvantagem dos decks. Alguns deles conseguiam fazer de tudo um pouco, assim como a previsão e mudança do deck em campeonatos. Essa era a época dos decks absurdos como o Dragonstorm e o affinity ... Isso entre as mudanças loucas da Wizards of the Coast que “queria porquê queria” fazer pegar o formato Extended, vulgo T4. [image](https://static.starcitygames.com/www/images/article/19June2016Long01.png) Agora éramos portadores de quatro tipos de estratégias e já estava ficando mais complicado jogar. O midrange era o lar dos novos decks. O modern chega e se aproveita muito dessas idéias já definidas, ocupando o espaço do já abandonado Extended, reforçando absurdamente a ideia do midrange nas estratégias e se valendo da acessibilidade das cartas nos novoas formatos (que na época já não era o forte do Legacy nem de outros formatos eternos). Essa ideia de acessibilidade provocou uma mudança muito grande de field e foi muito utilizada como pretexto para criação do formato Pauper. O formato era ótimo para as estratégias que só mudavam e se desenvolviam no âmbito de decks híbridos . Em meio a esta loucura eis que aparece o nosso querido Commander na equação e cria a noção de comandante. Surge a noção de comandante dependente e comandante não dependente. A base da necessidade ou não do comandante impacta e muda muito as possibilidades de jogo, criando noções claras de cada uma das estratégias anteriores e fazendo do commander, em minha opinião, o field mais variado e de possibilidades do Magic atual. Estas variações já existiam em muitas facetas do midrange Modern mas ganham uma força absurda no Commander. [image](https://cardsrealm.com/images/artigos/arquetipos/Arqu%C3%A9tipos-Commander-768x774.jpg) Tendo em vista tamanha loucura e caos, é normal que eu não continue aqui essa classificação sobre estratégias arquetípicas para construção de decks Afinal, você tem vida e um artigo com tudo seria enorme! Essa foi somente uma pincelada e por alto. Espero que tenham gostado, e nos acompanhe, pois este é só o primeiro de uma série. Em breve "Aggro: tudo aquilo que você sempre quis saber, mas estava ocupado espancando os coleguinhas". Autores Vinícius policarpo, gamer, filantropo e magiqueiro Ralf, youtuber do laborátório de commander, poliglota, troglodita e outras palavras legais que não sei o significado. Lucas, psicólogo, dealer em treinamento, entusiasta do espancamento desleal e covarde no magic, o melhor usuário da frase"no trabalho analiso teus sonhos. Nas folgas casto teus pesadelos" Fontes : StarCity Games: [link](http://www.starcitygames.com/article/33125_Running-The-Gauntlet.html) Eternal Magic: [link](http://eternalMagic.com.br/en/2017/06/commander-archetypes-aggro/#comment-1028) Amino Apps: [link](https://aminoapps.com/c/mtg/page/blog/the-problem-with-control-in-modern/aV2i_0ug1Jwz0l4pY2KnKm4oxeE1V5w) Eternal Magic: [link](http://eternalmagic.com.br/2017/06/introducao-aos-arquetipos-no-commander/)

Compartilhe:

Nota

0

Profile Main Image

Luiz

Luiz Cláudio de Souza Reis Besamat, personal training, jogador de magic desde 1995, ex-jogador de legacy, atual commandeiro, futuro oathbreikeiro, pauperoso de paixão. Louco pelo magic, suas histórias e todas as suas mudanças.

Social: Instagram

User profile image
Profile Main Image

Cards Realm

Primeiro sorteio (informe)


Hoje tivemos o primeiro sorteio da Cards Realm! Dessa vez sorteamos um bundle de m19. Será que você foi o felizardo que ganhou? Deixamos o canal 50 tons de pauper sortear! Vem ver se você foi o ganhador: [youtube](https://www.youtube.com/watch?v=g971KB1BeC0) E temos promessa de nosso patrocinador!!! Se chegarmos a 500 usuários vamos fazer um novo sorteio! ;) Fiquem de olho, estamos chegando lá!

Compartilhe: