Profile Main Image

Leonardo

Fazendo Day 2 com Devoted Company

Falemos de Devoted Company, Vizier Devoted, GW Devoted, Selesnya Company, Counters Company ou como preferir chamar. A própria Channel Fireball fez o favor de nomear o meu deck de duas formas diferentes em suas publicações a respeito do Day 2 do Main Event do Magic Fest São Paulo 2019.

Falemos de Devoted Company, Vizier Devoted, GW Devoted, Selesnya Company, Counters Company ou como preferir chamar. A própria Channel Fireball fez o favor de nomear o meu deck de duas formas diferentes em suas publicações a respeito do Day 2 do Main Event do Magic Fest São Paulo 2019. [deck](6554) Para os novos por aqui, o deck é sobre conseguir reunir um [card](Devoted Druid) não enjoado e um [card](Vizier of Remedies). [image](https://cdn.cardsrealm.com/images/cartas/en/shm-shadowmoor-devoted-druid-110.jpg) [image](https://cdn.cardsrealm.com/images/cartas/en/akh-amonkhet-vizier-of-remedies-38.jpg) Como podem reparar, essa combinação nos permite gerar o quanto for necessário de mana verde, desvirando o druida incessantemente. Ok, mas o que fazer com essa mana? Essa provavelmente vai ser a principal resposta para muitas das perguntas sobre o deck, mas... depende da lista. No caso da lista que usei no Magic Fest, a ideia é encontrar a solitária [card](Walking Ballista) e resolvê-la para X = 10000000 ou apenas um número grande o suficiente para matar o seu adversário com alguma folga. Para encontrá-la, iremos utilizar a habilidade do [card](Duskwatch Recruiter) repetidamente. Uma “win condition” secundária da minha lista é utilizar o terreno [card](Kessig Wolf Run) e atacar com o próprio druida não enjoado. Nas demais listas vocês podem encontrar combos com Rhonas the Indomitable, Mirror Entity, Shalai, Voice of Plenty, entre outros. [image](https://img.scryfall.com/cards/large/front/3/2/329a8738-3e17-403a-857a-0ba529ce8cd1.jpg?1543701177) [image](https://img.scryfall.com/cards/large/en/soi/203a.jpg?1518204802) [image](https://img.scryfall.com/cards/large/front/4/a/4a8447fe-7368-470a-911a-1083ec6cc831.jpg?1545409102) E se eu tiver meu combo exilado ou o oponente simplesmente tem tanto removal que não consigo desvirar com o druida em campo? Isso é algo que vai acontecer com frequência, após a ascensão do UR Phoenix, todos jogam com mais removals e surgical no sideboard. Buscando contornar isso, busquei uma lista que me proporcionasse uma forte estratégia midrange. Assim, contaremos com cartas com [card](Knight of the Reliquary), [card](Eternal Witness), [card](Militia Bugler) e todo o sideboard que pode entrar no lugar de peças do combo. Sim, é exatamente o que estão pensando, em muitos matchups eu reduzo demais a quantidade de cada peça do combo e confio que meu sideboard e minha estratégia de midrange darão certo. [image](https://img.scryfall.com/cards/large/en/con/113.jpg?1517813031) A lista sempre tem alguns slots livres e isso possibilita com que você pegue uma lista pronta, mas dê a sua cara ao deck. Considero que meu deck possui cinco slots discutíveis, que são: • 2 [card](Militia Bugler) • 1 [card](Scavenging Ooze) • 1 [card](Courser of Kruphix) • 1 [card](Ramunap Scavator) Esses slots são importantes e devem ser adaptados ao seu meta local. Optei pelo Ramunap, por exemplo, pois esperava encontrar muitos jogadores de Tron, Titanshift e Amulet Titan no Magic Fest. Ooze contra Dredge e Phoenix. Couser na expectativa de ser emparceirado contra Burn e afins. Os Bugler eu acho extremamente fortes quando caem no Company, me permitindo olhar boa parte do deck e escolher o que for mais relevante. Outras cartas que poderiam pensar em utilizar nesses slots são: • [card](Renegade Rallier) • [card](Knight of Autumn) • [card](Rhonas the Indomitable) • [card](Remorseful Cleric) • [card](Selfless Spirit) • [card](Voice of Resurgence), • [card](Tireless Tracker), dentre inúmeras outras. Como disse, devem adaptar ao metagame da sua loja ou região. O deck não tem um matchup fácil contra UR Phoenix, que representava quase 20% do metagame, e mesmo assim escolhi utilizá-lo no Main Event do Magic Fest e o motivo é simples: acredito que seja melhor jogar com um deck que considero entender em sua totalidade e adaptá-lo o quanto for necessário ao meta do que pegar um deck de última hora e não extrair o melhor do mesmo, apenas na expectativa de encontrar jogos favoráveis. Fechei o primeiro dia do Magic Fest 6-2, ganhando de um UR Phoenix com adaptação que comentei anteriormente, se não me engano foram 9 ou 10 cartas que entraram do side. Além desse, encontrei Humanos, Tron (duas vezes), Titanshift, Dredge, Bogles e Affinity. Não acho que tenha cometido nenhum erro grave, nada que mudaria algum resultado e acredito que as partidas que perdi foram por falta de sorte, nada que o deck não possa resolver em encontros futuros. Para compensar meu Collected Company não encontrando nenhuma criatura em um dos jogos que perdi, tive a oportunidade de “topdeckar” um [card](Kataki, War's Wage) que praticamente ganhou o jogo sozinho contra o Affinity. No segundo dia encontrei Humanos, Death and Taxes, UR Phoenix, Grixis Death Shadow, Titanshift e fui até a penúltima rodada com chance de premiar, mas tive a infelicidade de encontrar um Storm e começar na draw. Essa match costuma ter o primeiro game decidido no dado, uma vez que nenhum dos dois decks tem muitas formas de interagir com o outro, quem começa acaba saindo vitorioso. Após o side, acho que a match fica um pouco mais favorável para o Devoted Combo, pois temos muitas cartas no sideboard que podem atrasar bastante o Storm. Infelizmente não comprei muito bem e o mulligan castigou bastante, acabando com minha chance de premiação. Assim, fechei o segundo dia 4-3, totalizando 10-5 e a 108ª posição dentre os quase 1400 jogadores. Um resultado que me deixou bastante contente, considerando que foi meu primeiro Magic Fest (ou Grand Prix). Para mais informações sobre decks similares: foram para o Day 2 desse Magic Fest São Paulo outros 3 Devoted Combo. Um deles era o clássico Abzan, que conta também com o combo do [card](Kitchen Finks), [card](Viscera Seer) e [card](Vizier of Remedies). Outro usou uma estratégia pouco convencional em builds de Devoted Combo e optou por utilizar [card](Chalice of the Void) e [card](Simian Spirit Guide), tech que foi utilizada por muitos decks para tentar parar o UR Phoenix. O último dos 4 classificados não teve a lista divulgada, mas pelo nome “Devoted Evolution”, acredito que deve ser bem parecido com o deck que fez Top 16 no Main Event de Tampa. Um deck que é mais toolbox de criaturas e confia na força do [card](Eldritch Evolution) em detrimento de cartas como [card](Chord of Calling). Como podem ver, os 4 Devoted Combo que fizeram bons resultados no evento eram extremamente diferentes, então não há certo ou errado, os 4 eram competitivos e cada jogador soube extrair o melhor de sua própria versão. Deixo para todos aqui a lista que utilizei no Magic Fest São Paulo 2019. Sintam-se a vontade para tirar dúvidas ou fazer sugestões.

Compartilhe:

Nota

0

Profile Main Image

Leonardo

Jogador de combo nas horas vagas. Viciado em todos os Card Games. Redator da Cards Realm

Social

User profile image
Profile Main Image

Mariana

Uma lança veloz no Magic Fest São Paulo 2019


Olá, Planeswalkers! Recentemente eu estive participando do Magic Fest em São Paulo e, como uma garota e jogadora iniciante, fui convidada a contar um pouco do que foi minha primeira experiência num evento competitivo de Magic: the Gathering, como foi esse. Além disso eu tive a honra de ser premiada pela [link](https://mobile.twitter.com/mtg_forward)(Play it Forward) por ter sido a mulher mais bem classificada no evento principal cujo o formato jogado era o Modern. Acontece que eu venho jogando MTG desde do final de 2017, tendo finalmente, em meados de abril de 2018 apenas, montado um deck (MBC Pauper) e passado a frequentar semanalmente os campeonatos da minha loja local, a [link](https://lojaportal.net)(Portal TCG). Desde o início eu fui acolhida junto com meu namorado que embarcou nessa aventura comigo, aventura que teve e tem como lugar central, essa mesma loja (Portal TCG) no Rio de Janeiro. Lá eu conheci muita gente, fiz muitos amigos e conheci garotas que já jogavam a mais tempo. Sou muito grata a todos desta loja porque desde iniciada no jogo passei por poucas infelicidades por ser uma garota e com isso pude frequentar assiduamente os campeonatos e crescer muito como jogadora, processo que ainda continua a todo vapor. Contudo, devo mencionar que sei que para muitas meninas a experiência é outra, bem menos positiva que a minha particular. Durante a minha busca por conteúdo de MTG na Internet eu conheci o grupo Liga das Garotas Mágicas (S2). Lá eu fiz contato com muitas meninas que jogavam, escutei muitas histórias e percebi o quanto a comunidade feminina era expressiva ainda que esta não se fizesse "fisicamente" tão presente assim. E com o tempo eu fui entendendo, ou pelo menos passando a ter uma ideia, do porquê de isso acontecer. Minhas especulações tomaram mais forma quando um dia eu passei pelo meu primeiro "desconforto" cuja a condição para ocorrer foi justamente eu ser uma garota. Fico feliz que a situação tenha se resolvido, mas no fundo eu me senti tão afetada que havia perdido grande parte da minha confiança enquanto jogadora. Comecei até a achar que o meu deck (Burn) estava errado e comecei a mudar loucamente as cartas; por fim achei até que eu não podia/sabia jogar com ele. Enfim. Isso aconteceu pouco menos de um mês para Magic Fest e, daí em diante, eu tive péssimos resultados com o deck que eu havia $ofridamente montado ao longo de pelo menos 6 meses. Eu já havia comprado as passagens, agendado hotel, mas estava praticamente decidida a não participar do evento principal. Eu só mudei de ideia quando cheguei na sexta-feira, um dia antes do evento, e meu namorado (a quem não posso deixar de mencionar novamente com gratidão) fez muita questão que eu participasse. Cheguei a jogar o Last Trial para conseguir 2 Byes no evento principal, mas era single elimination e adivinhem? Perdi no primeiro match e acabei sendo eliminada. Lembram de quando eu disse que fiquei mudando as cartas do deck? Então, até eu desanimar um pouco com o deck, eu estava jogando com uma lista que eu gostava muito. Inclusive era um lista que recebia críticas (algumas construtivas e outras nem tanto) por não usar 4 dos novos queridinhos Skewer the Critics, e ainda por cima usar o estranhíssimo, mas não pouco eficaz, Vexing Devil e outras coisas "controversas". [image](https://img.scryfall.com/cards/large/front/9/7/97295660-6bea-46ae-9a3b-0fc6abba407f.jpg?1549414483) [image](https://img.scryfall.com/cards/large/front/a/5/a5ebb551-6b0d-45fa-88c8-3746214094f6.jpg?1547517462) No entanto era a lista que tinha minhas cartas favoritas e o mais importante: a que eu me sentia mais confiante em usar. Tenho certeza de que acreditar nela foi parte decisiva no meu resultado. Parti para o main event com a expectativa de simplesmente poder dizer que tive a experiência de participar de um evento mais competitivo do que eu estava habituada e extremamente concentrada no que poderia aprender de novo com esta experiência. O main event surpreendeu minhas expectativas. Foi um evento em que eu pude me descobrir a cada jogo como uma jogadora melhor que eu supunha, reconhecer meus pontos fortes e principalmente minhas fraquezas. A loja que frequento e todo seu ambiente amigável havia me preparado mais para o cenário competitivo do que eu sabia, isto em grande parte devido ao power level dos meus colegas que semanalmente jogavam comigo em campeonatos. Nesse evento pude também conhecer outras meninas e me inspirar. Foi revigorante ver a comunidade tão receptiva, horizontes positivos se anunciam no Magic: todos os oponentes que jogaram comigo foram extremamente respeitosos e isto é uma alegria imensa para mim, não só por ser uma garota mas por amar genuinamente o jogo em si. Eu sei que há casos e casos e eu fui sortuda de encontrar boas pessoas no caminho, mas fica o meu recado: Meninas (ou qualquer outra pessoa), não desanimem ou deixem de jogar por conta de uma situação ruim. Existem boas pessoas e lojas preparadas para nos receberem. A comunidade ainda conta com "espaços tóxicos", mas eles não são a maioria e cada vez mais vejo ações dentro da própria comunidade para reprimir "certas posturas". Correndo o risco de cometer redundância eu preciso agradecer imensamente aos meus colegas da Portal, da Cards Realm e ao meu namorado Davi que desde o início me incentivou muito e sempre me instigou a aprender mais sobre o jogo (inclusive montou meu side guide haha). E foi assim que eu encarei o evento; atenta ao novo, mas sem muitas expectativas por me sentir inexperiente no jogo (afinal eu esbarrei com pessoas que estavam no oitavo GP e jogavam a mais de 10 anos), mas a cada partida que eu joguei consegui ver com mais clareza o que eu estava fazendo. O deck fazia o que precisava ser feito, ganhei de top draw mais vezes do que a sorte pode permitir e deste modo eu consegui fechar 6x2 e passar para o day two no meu primeiro GP (Magic Fest). Sobre o segundo dia eu posso dizer que senti a atmosfera mais pesada e mais competitiva, mas nada fora do padrão do que eu esperava, apenas mais tenso. Isso por exemplo não foi motivo para meus oponentes deixarem de ser cordiais e respeitosos durante as partidas. [image](https://img.scryfall.com/cards/art_crop/en/wwk/99.jpg?1530592601) O que eu levo desse evento e que gostaria de compartilhar com todos, especialmente as meninas que querem aprender a jogar ou já jogam é: a comunidade do MTG é incrível e sempre há espaço para todo mundo. O meio competitivo me assustava porque eu achava que não seria possível fazer qualquer resultado sendo tão nova no jogo, mas o importante é que eu pude sim, fazer um bom resultado, e o melhor: perceber o quanto eu sou capaz de me dedicar e melhorar como player e como pessoa. Estou longe de ser a jogadora que eu quero ser no MTG, mas sinto que agora existe toda uma infinidade de planos no multiverso que eu posso explorar.

Compartilhe: