A evolução dos arquétipos (história)

Magic: the Gathering

News

A evolução dos arquétipos (história)

Oi bom dia, Meu nome é Luiz e serei seu guia nessa viagem pelo mundo do Magic. Hoje falaremos uma breve história dos Arquétipos do Magic.

By Luiz, 09/18/18

Oi bom dia, Meu nome é Luiz e serei seu guia nessa viagem pelo mundo do Magic. Antes de começar tenho que lembrar a todos que esta é uma visão minha de como as estratégias de Magic vem se desenvolvendo junto aos arquétipos novos e antigos, como evoluiu a cada novo arquétipo. Utilizarei as definições de arquétipo e uma série de termos técnicos correntes na comunidade do Magic, segundo o livro “Next Level Deckbuilding” do Pro Player Patrick Chapin. Esta é a referência mais utilizada entre os produtores de conteúdo no Brasil, sendo apresentada e discutida de forma clara e objetiva em várias postagens do Mateus Correia do Command Beacon (links ao final). Contudo, meus textos  buscarão ser mais uma prosa casual, como o bom mesão mineiro: regado a café com biscoito, cerveja/refrigerante e tira-gosto. A mana vai, a galhofa vem / o turno passa, massa chance de perder um amigo e a piada jamais!

Ad

Quando comecei a jogar, quase quando os dinossauros ainda habitavam a terra e não o Magic, um de meus amigos era o filho de um embaixador e ele trazia para nós as novidades daquele jogo “apelão”. Comecei em Fallenm Empires e, como todo iniciante, não tinha a menor noção de jogo. Contudo, minha sorte era sorte absurda! Na época, me lembro que o “roubado” era o Seasinger por ser uma criatura que podia tomar o controle de criaturas dos oponentes. E com certeza, se alguém me perguntasse algo sobre estratégia, eu não saberia nem do que estavam falando! Naquela época o competitivo começava a nascer no mundo. O T2 local ainda não existia, pois não haviam muitas formas conhecidas de compra. Do jeito que você juntasse as cartas e conseguisse jogar, era lindo. O Legacy era o rei do jogo (para não dizer o único formato). Boa época das duais não eram old e custavam “apenas” a R$10,00 segundo a cotação da Dragão Brasil. Um mundo sem playmats, shields e caixinhas personalizadas, mas com quase todos amassando e arranhando as cartas insanamente ao joga-las diretamente no chão e depois amarradas com gominhas plásticas de guardar dinheiro. Ahhh se soubéssemos... Na Quarta Edição comecei a ter um pouco mais de noção, e aí fui apresentado ao que seria o "pilar do Magic". Aquilo que explicava e norteava como montar um deck além da “colorpie”, que na época era muito mais rígida. Era o seguinte diagrama:
Image content of the Website
Alguns exemplos : burn combo ,o white weenie agro, e o monoblue control. Visto que em teoria sempre teríamos um deck/arquétipo forte contra um e fraco contra outro tipo de estratégia. Equilíbrio no qual não conseguiríamos vencer nosso rival, ou teríamos a dificuldade estratégica para o mesmo. O side era exatamente para diminuir essa desvantagem .Um pedra, papel e tesoura falho. Não que não existissem outros decks, mas as variações ainda eram muito inconsistentes por falta de cartas ou de formatos. Olhando o field, muitos elevaram essa noção para que tivessem decks mais fortes contra o arquétipo mais comum ... Aí começaram a surgir os midrangers. Decks que faziam um pouco de tudo, tipo agro-control (madness), agro-combo (reanimate) e control-combo (stax). Eles diminuíam a desvantagem dos decks. Alguns deles conseguiam fazer de tudo um pouco, assim como a previsão e mudança do deck em campeonatos. Essa era a época dos decks absurdos como o Dragonstorm e o affinity ... Isso entre as mudanças loucas da Wizards of the Coast que “queria porquê queria” fazer pegar o formato Extended, vulgo T4.

Ad

Image content of the Website
Agora éramos portadores de quatro tipos de estratégias e já estava ficando mais complicado jogar. O midrange era o lar dos novos decks. O modern chega e se aproveita muito dessas idéias já definidas, ocupando o espaço do já abandonado Extended, reforçando absurdamente a ideia do midrange nas estratégias e se valendo da acessibilidade das cartas nos novoas formatos (que na época já não era o forte do Legacy nem de outros formatos eternos). Essa ideia de acessibilidade provocou uma mudança muito grande de field e foi muito utilizada como pretexto para criação do formato Pauper. O formato era ótimo para as estratégias que só mudavam e se desenvolviam no âmbito de decks híbridos . Em meio a esta loucura eis que aparece o nosso querido Commander na equação e cria a noção de comandante. Surge a noção de comandante dependente e comandante não dependente. A base da necessidade ou não do comandante impacta e muda muito as possibilidades de jogo, criando noções claras de cada uma das estratégias anteriores e fazendo do commander, em minha opinião, o field mais variado e de possibilidades do Magic atual. Estas variações já existiam em muitas facetas do midrange Modern mas ganham uma força absurda no Commander.
Image content of the Website
Tendo em vista tamanha loucura e caos, é normal que eu não continue aqui essa classificação sobre estratégias arquetípicas para construção de decks Afinal, você tem vida e um artigo com tudo seria enorme! Essa foi somente uma pincelada e por alto. Espero que tenham gostado, e nos acompanhe, pois este é só o primeiro de uma série. Em breve "Aggro: tudo aquilo que você sempre quis saber, mas estava ocupado espancando os coleguinhas". Autores Vinícius policarpo, gamer, filantropo e magiqueiro Ralf, youtuber do laborátório de commander, poliglota, troglodita e outras palavras legais que não sei o significado. Lucas, psicólogo, dealer em treinamento, entusiasta do espancamento desleal e covarde no magic, o melhor usuário da frase"no trabalho analiso teus sonhos. Nas folgas casto teus pesadelos" Fontes : StarCity Games: hyperlink Eternal Magic: hyperlink Amino Apps: hyperlink Eternal Magic: hyperlink

Grade

0

Profile Main Image

Luiz

Luiz Cláudio de Souza Reis Besamat, personal training, jogador de magic desde 1995, ex-jogador de legacy, atual commandeiro. Louco pelo magic, suas histórias e todas as suas mudanças.

Social Instagram Brands icon

User profile image
More comment
The Vampiric Tutor - Archetypes: Aggro - Introduction & History

The Vampiric Tutor - Archetypes: Aggro - Introduction & History

Starting in Commander: Hallar, the Firefletcher

Starting in Commander: Hallar, the Firefletcher

Pauper Deck Tech: Squirrel Storm

Pauper Deck Tech: Squirrel Storm

More recent articles

Same Author

Speculating about the Core Set 2021

Speculating about the Core Set 2021

The need to try something new in Magic

The need to try something new in Magic

Conquest: the most fair variation of Commander

Conquest: the most fair variation of Commander

More from same author

Your privacy

We use cookies to ensure the functionality of our website, to personalize content and advertising, to provide social media features, and to analyze our traffic. Find out more about cookies reading our Privacy Policy