Profile Main Image

Leon

Comunidade LGBT+ no Magic brasileiro

Resolvemos entrevistar Higson Menezes, um dos administradores da comunidade LGBT+ de Magic, para entender as raízes do evento, como surgiu e o que nos espera daqui em diante.

Com os spoilers de Throne of Eldraine já na porta, muitos jogadores já devem estar se perguntando: "onde jogarei meu pré-release?". Se você faz parte (ou não) da comunidade LGBT+, temos uma ótima oportunidade para você! O grupo Magic: The Gathering LGBT+ há anos organiza um pré-release diferenciado, com muita cor e muita receptividade, o tão aclamado Pridelease. [image](https://cardsrealm.com/images/uploads/1567434493.jpg) Resolvemos então entrevistar Higson Menezes, um dos administradores da iniciativa, para entender as raízes do evento, como surgiu e o que nos espera daqui em diante. *Olá Higson! Poderia nos contar uma pouco sobre o que é o Magic: The Gathering LGBT+? Qual a proposta dele?* Olar! Turubom?! Prazer, Jace-Mizzet aqui! Convenhamos né bebê, o ambiente geek por si só é bem tóxico. Se tem uma coisa que eu (e outros LGBT+) não quero é estar jogando e ouvir algo na outra mesa (ou talvez na minha) do tipo "e aí, viadinho?! vai fazer algo?", "porra, o cara é bichinha, fraquinho", entre outras coisas. A ideia da iniciativa é poder juntar pessoas de culturas similares (LGBT's em geral, mulheres, etc) em um espaço onde possam falar de divas pop, signos, salto alto, maquiagem, empoderamento e atacar Biroliro sem gente metendo o dedo. É poder colocar pessoas em um ambiente não tóxico e divertido. *Hoje em dia vemos segmentos da nossa sociedade se organizando em comunidades no Facebook. Temos grupos como as das garotas mágicas ganhando cada vez mais força e a comunidade LGBT+ também. Quando e onde surgiu essa iniciativa no Facebook? * Então, em 2015 foi legalizado em todo o território dos EUA o casamento igualitário, a Wizards of The Coast foi uma das empresas apoiadoras. UM dia depois o Felipe (Atarka) e o Alex (Dromoka) se juntaram pra criar o grupo MTG LGBT+, e a partir daí só cresceu. ;) Hoje conta com 6 administradores nacionais: 2 em MG, 2 em SP, 1 em Curitiba, 1 no RJ. Coordenamos juntos cada passo da iniciativa como um todo. Temos um grupo de what's app pra cada regional nossa dessas citadas, um grupo de what's nacional, uma página no facebook e um grupo lá também. Estamos começando atividades no instagram aos poucos. *Recentemente vimos um artigo da Carol Anet comentando sobre a toxidade no mundo do Magic. Ela contou do ponto de vista dela como mulher. A comunidade LGBT+ de Magic também já sofreu com algum ambiente tóxico e compartilha os sentimentos da Carol Anet?* Infelizmente sim, e constantemente. Beu abô, o tanto de gente reclamando de comentários desagradáveis sobre sexualidade alheia. MUITOS são jogadores antigos e pararam de jogar porque não aguentavam mais toda hora ouvir comentários ou brincadeiras homofóbicas nas lojas (de gente que não percebia o quanto era hostil, ou de gente que não ligava de ser tóxica). Voltou agora porque descobriu o MTG LGBT+ e se sente mais seguro conosco. Porém, EU mesmo já sofri um backlash imenso em grupos de lojas, porque só a mera divulgação do grupo já causava furor e gerava muitos comentários negativos, pessoas me julgando, falando que preconceito não existe, falando que estamos segregando, que grupo de magic não é lugar de militância ou política, dentre outras coisas similares... mas bota essas pessoas pra jogarem e a primeira coisa que acontece é rolarem comentários que eles não entendem o quanto são ruins. Eu já li e ouvi muita radiação vindo de gente babaca, e eu to aqui pra quebrar isso, então eu resisti e persisti em nome do que eu represento, e vou continuar fazendo. Tá pensando que viado é bagunça?! VIADO NÃÃÃO É BAGOONÇA. [image](https://cardsrealm.com/images/uploads/1567434361.jpeg) *Vimos que você administra um dos eventos populares da comunidade LGBT+: o Pridelease. Tem sido muito comentado! Com fotos e um ambiente decorado que nos parece muito especial e aconchegante! Nos conte um pouco sobre ele, o que uma pessoa pode esperar nesse evento?* MELBEIN, por via de regra Pridelease TEM QUE TER MUITA MÚSICA VIADA ÇYN. Faço questão que tenha música rolando o tempo todo, tem concurso de lip sync também, em alguns consigo parcerias pra ceder playmats exclusivos e poderosíssimos pra alguns jogadores, promo cards como brinde, boosters adicionais como brindes e premiações, etc, além da decoração sempre temática LGBT+. É um pré-release aprimorado focado na representatividade, focado na celebração da diversidade. [image](https://cardsrealm.com/images/uploads/1567512043.jpg) *Quais outras iniciativas e eventos a Magic: the Gathering LGBT+ tem feito?* Em SP há o "Torre de Comando" que é um evento que não foca apenas no jogo, mas também em palestras e discursos sobre a comunidade LGBT+ como um todo, sobre empatia, sobre respeito. Em MG eles fazem piqueniques constantemente, fizeram festa junina do MTG LGBT+, sempre tem um babado rolando, e em quase todos os eventos temos palestras também, em grande parte com a liderança da Amana (Silumgar), que é militante e defensora ferrenha da causa. Sempre tem coisas rolando. Quanto mais gente, mais poder, mais glamour! [image](https://cardsrealm.com/images/uploads/1567434537.jpeg) *Por último Higson, quais formatos você joga e onde uma pessoa pode te encontrar jogando eles?* Majoritariamente Commander (e não falta deck pra eu emprestar caso alguém queira jogar), mas arrisco uns selados também! haha Eu passo por todas as lojas mas é bem comum me encontrar na Tijuca, ou [link](https://www.facebook.com/higson.m.s)(podem entrar em contato direto que eu não recuso MEEEIXMO). Eu? Deixar passar a oportunidade de Stormar?! Não meixmo. Ah, adicional! Eu ensino Magic e tenho decks de iniciantes pra ceder! Se alguém quiser aprender é só entrar em contato que marcamos e eu ensino. ^^ E lembrem-se sempre, pessoas... Você não está só, jamais esteve. *Obrigado Higson pela entrevista!* Gostaram do trabalho feito pelo grupo MTG LGBT+? Você pode acompanhá-los [link](https://www.facebook.com/mtglgbt/)(na página do facebook) ou [link](https://www.facebook.com/groups/mtglgbt/)(pelo grupo de facebook)! Caso queiram participar do Pridelease, [link](https://m.facebook.com/events/468189940402082/?ti=wa)(detalhes do evento do Rio de Janeiro que é coordenado pelo Higson podem ser encontrados aqui).

Compartilhe:

Nota

0

Profile Main Image

Leon

Programador do site da Cards Realm. O Magic vai muito além das cartas. Somos pessoas, uma comunidade enorme.

Social: YoutubeInstagramTwitter

User profile image
Profile Main Image

Thiago

O Commander para o Comitê - Sevinne, o Cronoclasma


Olá, meus queridos! Tudo bem com vocês? Meu nome é Fogaça e estou aqui novamente para falar sobre Commander. Faz algum tempo que venho analisando alguns casos na comunidade do EDH. Não é surpresa para ninguém que exista certa rivalidade entre os jogadores do casual e do cEDH, ainda mais se referindo ao competitivo em relação à mesa de cozinha; muitos simplesmente aceitam sua verdade e seu estilo de jogo como único e universal, e, por isso, acabam sendo intolerantes com outros membros da comunidade que pensam de outra forma. O problema passa longe de ser apenas do Magic, sendo algo comum na mentalidade das pessoas desta era, porém, mesmo sendo corriqueiro, é algo que merece preocupação e que deve ser discutido. A partir disso, pensei em ampliar nossa visão para também falar ao jogador que não aspira à competitividade pura, mas que se sente feliz em melhorar seu jogo com seu comandante favorito e, indiretamente, segue o padrão imaginado e difundido pelo Comitê ao administrar o formato. Hoje, por esta causa, falaremos de um dos generais lançados na coleção de Commander 2019: [card](Sevinne, the Chronoclasm). [image](https://cardsrealm.com/images/uploads/1567265296.jpg) *CONCEPÇÕES INICIAIS* Ao imaginar o design deste pré construído, os desenvolvedores da WotC pensaram em algo que favoreça cartas com Recapitular ou outras mecânicas que utilizem as magias do cemitério de forma autônoma, ou seja, por uma mecânica embutida na própria mágica. Este fato é suficiente para colocarmos várias cartas que podem ser jogadas do grave em circunstâncias específicas, mas, quando analisamos friamente a relação custo-benefício, isso passa a ser inviável para uma build mais otimizada, uma vez que os efeitos são muito pesados ou pouco satisfatórios para serem aproveitados. Pensando nisso, a construção desta lista foi feita a partir do conceito de um deck midrange/controle que usufrui de mágicas características para o arquétipo e opções que permitem reutilizá-las do cemitério, para, desta forma, obteremos valor de nosso comandante. *CONSTRUÇÃO DO DECK* Com o conceito em mente, precisamos de uma condição de vitória para basear nossos esforços. Admito que as staples das cores Jeskai não condizem com as mecânicas que usaremos para nossa lista; precisei ir um pouco afundo, e, após, percebi que havia uma resposta bem em minha frente – a combinação de [card](Dualcaster Mage) e [card](Dupla de Bufões) pode criar um exército de magos no final do turno de seus oponentes, assim permitindo que sua legião ataque no seu turno e te leve à vitória (para aumentar a consistência de um combo frágil, adicionamos [card](Quasiduplicata), de modo a repetir o efeito de uma das peças). Também utilizaremos um efeito de lock para aproveitar a habilidade que previne dano que não seja de combate ao nosso general: Pária poderá o encantar, nos dando a vantagem de não sofrer dano. [image](https://cardsrealm.com/images/cartas/en/mm3-modern-masters-2017-past-in-flames-105.jpg) Após estabelecermos nossas condições de vitória, percebemos que não temos um plano extremamente consistente para tal. A combinação de alguns fatores, porém, nos ajudará a vencer com essas peças simples, sendo que o forte do deck será a interação com os oponentes durante o jogo e o reaproveitamento de recursos. Para tal, teremos várias cartas para reaproveitar nosso cemitério (tendo como exemplo [card](Passado em Chamas)), as quais possibilitarão que nossos efeitos de compra e seleção baseados em descarte não sejam prejudiciais para a estratégia. Além de aproveitar o envio de cartas para o cemitério, teremos algumas, como [card](Arrancar da Eternidade), que possibilitarão uma nova utilização de magias já exiladas após seu uso a partir do grave. [deck](13639) O pacote final de nossa lista terá a função de combinar o quesito controle com uma característica próxima ao toolbox (conceito já explicado em artigos anteriores), permitindo que nossos tutores busquem anulações, remoções ou qualquer outro recurso específico que necessitarmos durante a partida. *SUBSTITUIÇÃO DE CARTAS DE ALTO VALOR* Nessa lista em específico, as cartas de valor exorbitante fazem parte de um conjunto que da repetição ao mesmo efeito, primordial para nosso jogo, porém, caso haja dificuldade financeira, algo semelhante pode ser usado para diminuir o valor do deck, mesmo que a sinergia seja perdida. *POR ONDE COMEÇAR?* Este será um caso engraçado, pois falamos de um deck previamente construído. Sugiro aos interessados em montá-lo que comprem a caixinha e substituam as cartas que não correspondem ao arquétipo (como todas as bombas que não se referem à utilização de cartas que estão no cemitério), adicionem algumas pedras de mana que beneficiem o ramp rápido e consistente, anulações baratas e eficientes e efeitos de compras que tirem vantagem do descarte (como [card](Voz Atormentadora) e [card](Reunião Catártica)); não podemos nos esquecer de agregar nossas condições de vitória. Com o tempo, as cartas mais pesadas serão substituídas, assim como a base de mana, a qual é interessante para o início, mas lenta após as alterações. *CONCLUSÃO* A conclusão será diferente hoje. Usarei este espaço para fazer um pedido a todos os jogadores, não importando formato ou nível de competitividade: não pensem que existe apenas um modo correto de se jogar ou de construir seu deck; eu mesmo discordo de vários pontos do cEDH tradicional e tento mostrar visões diferentes sobre construção e formas de jogo para o formato. Lembrem-se que o Magic é um jogo social, que não pode ser jogado sozinho, portanto, valorizem seus companheiros e sua comunidade. Não sejam jogadores tóxicos e pessoas ruins; o mundo já está cheio destes, tentem fazer a diferença e não ser apenas mais um. Por hoje ficamos por aqui. Agradeço a todos que tem acompanhado essa série de artigos e peço que sempre deixem seu feedback para continuarmos melhorando. Até a próxima, meus queridos!

Compartilhe:

Profile Main Image

Thiago

Jogador de Magic desde Tarkir, sou apaixonado por interações e sinergias que quebram a curva do jogo. Para mim, o cEDH é o teste máximo para o jogador de Magic, tanto para deck build, quanto para gameplay. Para me acompanhar no YouTube, acessem meu canal.

Social: Youtube