Onze Perguntas com Jon Finkel, campeão mundial e Hall of Fame

Magic: the Gathering

News

Onze Perguntas com Jon Finkel, campeão mundial e Hall of Fame

No Onze Perguntas de hoje, entrevistamos um dos maiores da história do Magic, Jon Finkel. Vamos conhecer essa lenda?

By Betão [MONARCHS], 05/15/21

Hoje entrevistamos um dos maiores jogadores de Magic de todos os tempos, segundo o nosso querido PV, o primeiro no ranking do nosso amado Magic: the Gathering. Jon Finkel, nascido em 18 de maio de 1978, é um jogador americano de Magic: The Gathering e pôquer. Ele é um dos jogadores mais condecorados na história do jogo profissional de Magic: The Gathering e é amplamente considerado um dos maiores jogadores de todos os tempos. Durante sua carreira, ele ganhou três eventos de Grand Prix e chegou ao Top 8 em um recorde de 16 eventos Pro Tour, ganhando três deles. No ano de 2000, ele se tornou um Campeão Mundial de Magic: The Gathering, além de jogar pela Seleção dos Estados Unidos, vencendo a parte de equipes da competição.

Ad

Sua carreira se desenvolveu em uma época na qual o Magic era diferente do que conhecemos hoje. Não haviam tantas cartas disponíveis para montar um bom baralho, os decks eram desenvolvidos na garra, sem o chamado 'Net Deck', ou seja, cada um dependia de sua própria habilidade de deck building, além de precisar jogar muito bem com esses baralhos. Foi nesse ambiente que Jon cresceu e fez sucesso, com uma linha de pensamento muito forte, ampla e bem desenvolvida, ele conquistou seus títulos, inclusive chegando ao Hall da Fama em 2005, prêmio muito celebrado por ele e também merecido.
Image content of the Website

1. O que mais te atraiu no Magic quando você o conheceu? Sua família te apoiou?

FINKEL:

Comecei a jogar Magic aos 14 ou 15 anos, quando morava no sul da Inglaterra. Sempre gostei de fantasia, ficção científica e jogos. Meu pai tinha interesses muito semelhantes e jogávamos RPGs de computador ou jogos de estratégia juntos. Eles me apoiaram muito, permitindo que eu ficasse na loja de jogos local até tarde e, geralmente, permitindo que eu fosse bastante independente.

2. Como você vê as mudanças desde o início do Magic até os tempos atuais? Você pensou que as pessoas ainda estariam jogando? E que teria toda essa fama?

FINKEL:

O Magic obviamente mudou muito ao longo dos anos. Os primeiros sets foram todos desbravando novos caminhos e continham toneladas de cartas incrivelmente desequilibradas, tanto fortes quanto fracas ou com custos excessivos. Depois de alguns anos, viram a oportunidade competitiva ali e começaram a fazer sets melhores e mais balanceados, tanto para construídos quanto para selados/drafts. Acho que a Era de Ouro foi entre 1998-2008. Fizeram um ótimo trabalho consertando algumas das coisas sem sentido e viam o Magic principalmente como um jogo de estratégia competitivo. Em seguida, houve uma mudança de atitude no sentido de maximizar o apelo ao marketing e ao jogador diário. Em suma, eles queriam que as cartas grandes e chamativas fossem as boas, não as baratas e eficientes. Começaram apresentando planeswalkers e centralizando o combate de criaturas, e então lentamente tornaram as raros e míticas mais poderosas em relação às outras cartas. Não estive conectado com Magic nos últimos dois anos, mas parece que o Standard passou anos em um ciclo familiar. Imprimir cartas superpoderosas que eram as cartas "hypadas" de campanha publicitária de um novo set, depois deixá-las jogar por alguns meses porque eram as cartas hypadas do formato, e depois, finalmente, bani-las. O draft parece ter permanecido bastante forte, mas sua importância no cenário competitivo foi lentamente diminuindo, uma vez que não vende cartas também.

Ad

3. Você também joga pôquer. A arte do blefe do pôquer pode ajudar no Magic, ou são coisas totalmente diferentes?

FINKEL:

Acho que em ambos os casos, “blefar” é um tanto superestimado. Dito isso, o importante em ambos é entender o que seu oponente está pensando e o que ele vai pensar que você está pensando. Você também tem que calcular os custos e benefícios de ter sucesso versus ser pego em seu blefe. Se você está em uma posição de vitória forte, não precisa arriscar blefes, mas se estiver em uma situação muito ruim e um blefe puder fazer uma grande diferença de uma forma não-óbvia para seu oponente, você deve fazer isso. Claro que, se seus oponentes forem bons, eles perceberão isso e verão quando você estiver em apuros com mais frequência, especialmente se isso lhe der uma saída. Geralmente, blefar contra bons oponentes é melhor quando sua posição parece muito mais forte ou mais fraca do que é, porque então seus oponentes não podem ler com precisão o estado do seu jogo.
Image content of the Website

4. Até que ponto os jogos de cartas são apenas hobbies que uma pessoa leva a sério? Muita gente passa o dia todo falando e lendo sobre Magic. Como cuidar para não dominar todas suas ações e acabar deixando de lado outras esferas da vida, como a profissional e a pessoal?

FINKEL:

Eu poderia considerá-los como hobbies que levamos a sério, da mesma forma que a maioria das atividades não profissionais. Pode ser esporte, leitura, filme, arte ou fotografia. Acho que as pessoas celebram demais a importância do “trabalho” e das “atividades sérias”. 75% de todos os empregos se resumem em rastrear quem possui, deve ou está pagando por algo, ou convencer alguém a comprar um produto, ou clicar em um anúncio com um pouco mais de frequência ou um milhão de outras coisas que não seriam vistas como atividades sérias se não fossem “carreiras”. Todos devemos encontrar equilíbrio neste mundo, mas não acho que devemos nos concentrar muito no equilíbrio acima de tudo.

5. Boa parte da sua vida foi em torno do Magic, mas você também possui uma carreira fora do jogo, não é?

Finkel:

Joguei durante a maior parte dos meus 20 anos, mas nos últimos 13 anos tenho administrado um Fundo de Hedge Quantitativo com outros quatro parceiros. Não há muita utilidade social na construção de modelos em torno dos preços das ações e, se não fosse bem pago, tentar calcular os movimentos de um monte de ações alguns centavos melhor do que outros não seria visto como uma busca séria.

6. Vamos voltar para o Magic. Os rumos no sentido da direção econômica, de desenvolvimento, de estruturação e criação de cartas, acha que a Wizards não poderia fazer um pouco melhor do que faz? Onde ela erra e onde acerta?

FINKEL:

Magic é um grande jogo e uma das coisas que definem minha vida. Dito isso, eu realmente prefiro os anos em que parecia que a competição era o objetivo principal do Pro Tour, ao invés do marketing. De uma perspectiva econômica, talvez, esta fosse a melhor escolha à longo prazo. Como parte de uma grande corporação, a Wizards possui todas as vantagens e desvantagens associadas. É outra propriedade que a Hasbro deseja maximizar o retorno e, internamente, está cheia de pessoas que precisam mostrar às outras acima delas que estão fazendo um bom trabalho. A visão de curto prazo é um resultado inevitável, assim como a falta de risco. Os riscos podem ser melhores para o jogo, mas se você está perdendo vendas agora ou o se risco "falha", isso se torna algo desastroso para quem é o líder. Não há espaço para torná-lo o melhor jogo competitivo possível, se torná-lo um jogo mais popular é mais lucrativo. Da mesma forma, durante anos o Magic digital foi subfinanciado e suportado. Eventualmente, eles descartaram esse modelo para o Arena, embora a economia disso nunca tenha feito sentido para mim. Agora você deve grindar para obter cartas ou apenas comprar muitos pacotes ao invés de ter uma coleção e comprar ou vender, ou ainda negociar.

Ad

Claro, o mercado do MTGO estava completamente quebrado e só funcionou porque terceiros criaram todos esses bots e softwares para fazê-lo funcionar - uma história familiar no Magic, onde a base de jogadores é brilhante e experiente em tecnologia. Agora, a Hasbro está falando sobre entrar em NFTs como uma de suas propriedades, que é basicamente apenas uma maneira mais experiente em tecnologia de executar o modelo MTGO. Wizards deveria ter sido pioneira em esportes eletrônicos, mas sofria de problemas crônicos em desenvolvimento e falta de visão.
Image content of the Website

7. As plataformas digitais substituirão o jogo impresso? Poderiam ser uma ameaça?

FINKEL:

Tomar o lugar delas? Não. Ofuscar? Com certeza. Romances costumavam ser entretenimento de massa, que foram substituídos por rádio, TV, filme e jogos de computador/vídeo. Mas as pessoas ainda leem livros. Eu até prefiro livros físicos ao kindle/leituras virtuais. Reunir-se em grupos é algo que todas as pessoas fazem, e jogar é uma maneira de fazer isso. Alguns jogos físicos, como Bridge (que é um jogo incrível e profundamente complexo em que Paulo é um mestre) já estavam desaparecendo. Outros jogos provavelmente nunca teriam surgido em um ambiente diferente. Acho que a existência de plataformas digitais aumenta os jogos e também reduz a quantidade de jogos físicos. No final, as pessoas têm apenas um limite de tempo de lazer e os jogos digitais vão consumir isso, mas não espero que os jogos impressos da vida real desapareçam de uma forma significativa.

8. Quando você está em casa, com calma, você ainda pega cartas e baralhos de Magic, joga, ensina parentes, amigos? Você ensina ou ensinará seus filhos?

FINKEL:

Eu não jogo muito Magic há mais de um ano e realmente não tive vontade de jogar. O jogo que mais jogo atualmente é o DotA. Eu não planejo ter filhos, mas tenho 2 sobrinhos muito novos de que sou próximo, e eu definitivamente planejo ensinar como jogar Magic quando eles crescerem o suficiente.
Image content of the Website

9. Paulo Vitor fez recentemente um vídeo com os 10 melhores jogadores de Magic de todos os tempos. O que você achou da lista? Mudaria alguma coisa?

FINKEL:

Não assisti ao vídeo, mas acabei de ler sobre ele agora. Parece que os 5 principais dele foram: Jon Finkel Kai Budde PVDDR Gab Nassif LSV Parece um bom Top 5 e a ordem parece ótima para mim. Muitas pessoas têm diferentes pontos de vista aqui, e é muito bom ainda ser listado "melhor de todos os tempos" em algo a que dediquei muitos anos. Dado que Paulo ainda está jogando e indo bem, essa lista pode mudar; mas é claro que Paulo é muito modesto para se colocar em primeiro lugar. Essas listas de tipo me fazem desejar ter jogado mais entre 2002-2014, quando eu tinha 20-30 anos.

10. Como você se sentiu em 2005 quando entrou no Magic Hall of Fame?

FINKEL:

Foi muito bom estar no Hall da Fama por qualquermotivo e isso me fez pensar que o Magic poderia ter um longo futuro pela frente. Como parte da honra, eles me enviaram algumas Booster Box com as quais draftei novamente após algum tempo de folga e, em seguida, retornei a alguns dos últimos todos os Draft Pro Tours, incluindo minha vitória em Kuala Lumpur.

11. Conte-nos um pouco, como está sua vida no momento? Quais são os projetos profissionais? Você ainda joga com frequência? Deixe uma mensagem para os fãs brasileiros.

FINKEL:

Minha vida é boa. Tento me manter saudável, trabalhar e jogar. Profissionalmente, estou tentando obter bons retornos ajustados ao risco para nossos investidores, e não é um trabalho ruim no que diz respeito aos empregos. Não jogo muito Magic atualmente. Se eles começassem a ter todos os eventos principais limitados novamente, eu poderia começar a ansiar em me envolver, mas por enquanto estou feliz em permitir que o sangue jovem participe disso.

Ad

Quanto aos fãs brasileiros - Obrigado pelo carinho em ler minha entrevista! Estive no Brasil uma vez para o GP do Rio em 97 ou 98 e é um país lindo. Realmente preciso voltar. E, claro, não são muitos os países que já tiveram o melhor jogador de futebol e o melhor jogador de Magic do mundo ao mesmo tempo. Pessoal, após essa entrevista cheia de conteúdo, nada mais poderia acrescentar. Espero que todos gostem da leitura, muito obrigado e até a próxima! E se não leu ainda minhas outras entrevistas com algumas personalidades do Magic mundial, clique no link: -The Professor -Patrick Chapin -PV -Luis Salvatto -A_AdeptoTerra

Grade

0

Entrevista Hall da Fama
Profile Main Image

Betão [MONARCHS]

Betão, professor de Física, escritor e roteirista, dedica as horas vagas a conteúdos sobre MTG, RPG, alguns Board Games e ao Bridge.

Social Facebook brands iconYoutube Brands iconInstagram Brands iconTwitch Brands icon

User profile image
More comment
Legacy Deck Tech: Izzet Delver

Legacy Deck Tech: Izzet Delver

Eleven Questions with Kai Budde, MTG's biggest winner

Eleven Questions with Kai Budde, MTG's biggest winner

Best Modern Horizons II White cards for Modern

Best Modern Horizons II White cards for Modern

More recent articles

Same Author

Eleven Questions with Kai Budde, MTG's biggest winner

Eleven Questions with Kai Budde, MTG's biggest winner

Eleven Questions to The Professor, our favorite Tolarian!

Eleven Questions to The Professor, our favorite Tolarian!

Kaldheim's best Commanders for Pauper Commander

Kaldheim's best Commanders for Pauper Commander

More from same author

Your privacy

We use cookies to ensure the functionality of our website, to personalize content and advertising, to provide social media features, and to analyze our traffic. Find out more about cookies reading our Privacy Policy